Banca de QUALIFICAÇÃO: VIVIANE DA SILVA MEDEIROS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VIVIANE DA SILVA MEDEIROS
DATA: 24/02/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de Aula da Pós-Graduação em Psicobiologia
TÍTULO:

COMPORTAMENTO DO CAMARÃO MARINHO Litopenaeus vannamei (Boone, 1931) INFECTADO EXPERIMENTALMENTE POR Vibrio parahaemolyticus


PALAVRAS-CHAVES:

Isopatia, Vibriose, Peneídeos.


PÁGINAS: 55
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

As vibrioses são doenças causadas por bactérias do gênero Vibrio. Estes agentes patogênicos são halofílicos e estão presentes em grande parte das águas de cultivo de camarões. Na ocorrência de algum desequilíbrio na saúde dos animais ou no ambiente de cultivo, estas bactérias podem causar doença grave nos camarões onde os principais sinais clínicos são: nado incoordenado, erosões na carapaça e necrose do hepatopâncreas. O uso de tratamento com antibióticos não é permitido no Brasil, mas alguns tratamentos com baixa ou nenhuma agressão ao ambiente estão sendo avaliados. Não há relatos sobre o comportamento dos camarões tratados ou não durante a infecção. O objetivo desse estudo consiste em avaliar o comportamento do camarão marinho Litopenaeus vannamei durante a infecção com Vibrio parahaemolyticus sob diferentes tratamentos: com antibiótico Florfenicol (10mg/kg/dia), com medicamento isopático (V.parahaemolyticus CH12), ou associação de ambos. Foram obtidos 160 camarões juvenis (5 g) em fazenda de cultivo de camarões no município de São Gonçalo do Amarante/RN e em seguida levados ao Laboratório de Patologia de Organismos Aquáticos, do Departamento de Oceanografia e Limnologia (UFRN). No laboratório, foram cultivados por 30 dias, avaliados quanto às condições de saúde por mais 15 dias, divididos em 5 grupos (Grupo controle, Grupo Infectado sem tratamento, Grupo Antibiótico, Grupo isopatia e Grupo isopatia+antibiótico), e então distribuídos individualmente em 32 aquários de vidro com capacidade para 5 L. Para registro dos comportamentos, os animais foram observados pelo Método de Observação Animal Focal, com registro instantâneo a cada 2 minutos, durante 18 dias. As observações ocorreram 10 minutos antes e após a oferta da alimentação. Para análise microbiológica, anatomopatológica, e análise a fresco, foram coletados 5 animais de cada grupo teste a cada 6 dias. Os resultados parciais indicam que, para os animais em laboratório, não há diferença no uso de substrato ou não, por isto optou-se por não usar. No segundo experimento observou-se que os animais dos grupos controle e antibiótico + isopatia tiveram melhores respostas de atividade, ingestão de alimentos e ganho de peso durante o tratamento. As análises sobre microbiologia e histopatologia estão em andamento e têm como objetivo relacionar as alterações do comportamento dos animais durante o adoecimento com a presença de bactérias em tecido alvo e alterações destes tecidos observadas na análise histopatológica.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2380571 - CIBELE SOARES PONTES
Externo à Instituição - JOSE TICIANO ARRUDA XIMENES DE LIMA - UFERSA
Presidente - 350638 - MARIA DE FATIMA ARRUDA DE MIRANDA
Notícia cadastrada em: 18/02/2014 09:34
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao