Banca de QUALIFICAÇÃO: JOAO FELIPE BARROS CORREIA DE FARIAS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOAO FELIPE BARROS CORREIA DE FARIAS
DATA: 05/11/2013
HORA: 14:40
LOCAL: Sala de aula da Pós Graduação em Psicobiologia
TÍTULO:

Cooperação ao acaso em saguis comuns: similaridade, não sincronia explicam cooperação em Callithrix jacchus.


PALAVRAS-CHAVES:

cooperação, cognição, similaridade, sincronia, olhar social, Callithrix jacchus.


PÁGINAS: 28
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

A literatura recente argumenta que o cuidado cooperativo a prole é acompanhado de mudanças psicológicas que levam a uma maior prosocialidade e maior cognição social. Em particular, sugere-se que o monitoramento visual é uma competência sócio-cognitiva desenvolvida em tais espécies, resultando numa maior habilidade na resolução de tarefas cooperativas que necessitem de ações sincrônicas ou complementares. O objetivo deste trabalho foi verificar se há relação entre o monitoramento visual e o sucesso numa tarefa cooperativa em Callithrix jacchus, uma espécie com cuidado cooperativo a prole. Compuseram o estudo sete animais adultos de duas famílias diferentes do Núcleo de Primatologia da UFRN (três fêmeas e quatro machos). Três díades de fêmeas, três díades de machos e três díades macho e fêmea interagiam em gaiolas individuais vazadas, fazendo uso de um aparato experimental que exige sincronia na ação de puxar duas cordas para obtenção de alimento. Cada dupla foi submetida a três sessões experimentais semanais, de 10 minutos cada, sem barreira visual, durante três semanas, seguidas de outras três semanas nas mesmas condições, mas com barreira visual, e intercaladas por duas semanas sem barreira. Foi observada correlação entre sucesso na obtenção do alimento e os olhares mútuos na primeira e na terceira semanas de experimento sem barreira. Houve também um aumento progressivo no comportamento de puxar a corda sincronicamente, mas decréscimo significativo dos olhares mútuos. As díades formadas por fêmeas puxaram mais as cordas, mas se olham menos que outras duplas, já as duplas contendo machos apresentam maior monitoramento social. As díades tiveram maior sucesso cooperativo nas semanas com barreira do que nas semanas intercaladas sem barreira. Os resultados preliminares indicam que a cooperação tem sido mais em função de Similaridade do que de Sincronia. O monitoramento social aumenta o sucesso na ação sincrônica, mas que sinais mais sutis para a coordenação comportamental podem ser utilizados uma vez que a tarefa seja entendida. O maior sucesso em díades de fêmeas está de acordo com a maior necessidade alimentar deste sexo e o maior monitoramento social por machos pode estar relacionado ao sistema de poliandria observado nesta espécie.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2696495 - RENATA GONCALVES FERREIRA
Notícia cadastrada em: 04/11/2013 13:38
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao