Banca de DEFESA: RUTHNALDO RODRIGUES MELO DE LIMA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RUTHNALDO RODRIGUES MELO DE LIMA
DATA: 30/08/2013
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de aula da Pós Graduação em Psicobiologia
TÍTULO:

CARACTERIZAÇÃO FUNCIONAL E HODOLÓGICA DO NÚCLEO PRÉ-GENICULADO DO TÁLAMO DO SAGUI (Callithrix jacchus)


PALAVRAS-CHAVES:

Núcleo supraquiasmático, Folheto intergeniculado, Núcleo pré-geniculado, Trato geniculo-hipotalâmico, Pulso de escuro, c-Fos.


PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

Em mamíferos, o sistema de temporização circadiana (STC) é responsável pela geração e sincronização dos ritmos circadianos que são oscilações endógenas manifestadas pelos seres vivos para a maioria das funções e comportamentos, com período em torno de 24 horas. Nesses animais, o núcleo supraquiasmático do hipotálamo (NSQ) e o folheto intergeniculado do tálamo (FIG) são os principais componentes desse sistema. O NSQ tem sido descrito como o principal marca-passo circadiano em diversas espécies, uma vez que a lesão dessa estrutura deixa o animal arrítmico para um conjunto de funções circadianas. O NSQ recebe projeção bilateral da retina, conhecida como tracto retino-hipotalâmico (TRH). O TRH constitui a principal via de sincronização ao ciclo claro-escuro ambiental. A lesão dessas fibras priva o NSQ de tal informação e leva o animal a entrar em livre-curso. O controle da atividade do NSQ está sob influência de uma ampla rede neural proveniente de várias regiões do sistema nervoso, sendo essa diversidade observada tanto do ponto de vista da localização quanto da função da região que fornece a aferência. Em roedores, o FIG constitui umas das mais importantes aferências do NSQ e tal projeção é denominada de tracto genículo-hipotalâmico (TGH). Embora não esteja envolvido diretamente com a sincronização o FIG tem uma grande importância para a modulação dos ritmos circadianos, como sugerido por estudos farmacológicos ou combinados com estudos de lesão. Ele recebe terminais retinianos e parece estar envolvido na integração de informações fóticas e não-fóticas retransmitindo-as ao NSQ, via TGH. O processamento de estímulos não-fóticos é essencialmente realizado por neurônios imunorreativos ao neuropeptídeo Y (NPY). Anticorpos contra NPY são bastante utilizados para se delimitar anatomicamente o FIG de roedores. Em primatas, diversos estudos neuroquímicos e de projeção retiniana apontam para o núcleo pré-geniculado do tálamo (NPG) como possível estrutura homóloga ao FIG. Já foram identificados terminais retinianos e a presença de neurônios NPY-positivos em sua camada mais interna. Uma característica fundamental a ser investigada é se esse grupo celular emite projeções ao NSQ e responde a estímulos não-fóticos. Assim, avaliando a expressão de FOS após estímulos específicos e realizando técnicas com traçadores neurais, pretendemos averiguar se o NPG ou parte dele corresponde ao FIG dos roedores. Como modelo experimental, utilizaremos uma espécie de primata do novo mundo, típica do nordeste brasileiro, conhecido popularmente como sagui (Callithrix jacchus).


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2351800 - JEFERSON DE SOUZA CAVALCANTE
Interno - 1216466 - JOHN FONTENELE ARAUJO
Externo ao Programa - 3550124 - JUDNEY CLEY CAVALCANTE
Externo à Instituição - JOSÉ PABLO RUBIO GARRIDO - UAM
Externo à Instituição - LUCIANA PINATO - UNESP
Notícia cadastrada em: 22/08/2013 11:19
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao