Banca de QUALIFICAÇÃO: JACINTHIA BEATRIZ XAVIER DOS SANTOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JACINTHIA BEATRIZ XAVIER DOS SANTOS
DATA : 02/06/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Link de acesso para videoconferência: https://meet.google.com/woj-ivah-xbk
TÍTULO:
EFICÁCIA DO GEL A BASE DO EXTRATO VEGETAL DE Ipomoea pes-caprae NA INIBIÇÃO DA TOXICIDADE LOCAL PRODUZIDA PELA PEÇONHA DA SERPENTE Bothrops erythromelas

PALAVRAS-CHAVES:
Ipomoea pes-caprae. Botrópico. Convolvulaceae. Formulação. Antifídica.

PÁGINAS: 84
RESUMO:
O ofidismo é considerado um relevante problema de saúde pública, incluso pela Organização Mundial de Saúde na lista de Doenças Tropicais Negligenciadas. O gênero de maior relevância clínica, responsável pelo maior número de acidentes, é o Bothrops. Eventos comuns como edema local, miotoxicidade, hemorragia e dermonecrose caracterizam os acidentes e podem levar a danos severos aos pacientes. A baixa eficiência da soroterapia antiveneno frente a estes eventos instiga a busca por terapias complementares. Plantas medicinais são utilizadas há anos na medicina tradicional em acidentes ofídicos. A espécie vegetal Ipomoea pes-caprae (Ipc), conhecida popularmente como “salsa-da-praia”, é usada na medicina tradicional no tratamento de inflamações, dores, queimaduras e picadas de serpentes. Dessa forma, este estudo focou no desenvolvimento e avaliação de formulações contendo extrato da Ipc quanto ao seu potencial antiofídico. O extrato hidroetanólico de Ipc foi obtido por maceração. Os resultados sugeridos por Cromatografia em Camada Delgada e confirmados através da análise por Cromatografia Líquida de Alta Eficiência identificou a presença majoritária de compostos fenólicos no extrato. A obtenção da fração enriquecida de compostos fenólicos (FrEtOH) foi realizada com sucesso. O extrato foi incorporado a um gel anteriormente desenvolvido pelo grupo de pesquisa. Após 90 dias do estudo da estabilidade acelerada, as formulações com o extrato apresentaram-se estáveis quanto as propriedades organolépticas e físico-químicas, assim como o teor de fenólicos com variação de acordo com a legislação. O extrato Ipc e FrEtOH apresentou ausência de citotoxicidade in vitro frente às células de macrófagos murinos (RAW 267.3) e de fibroblastos embrionários de camundongo (NIH/3T3). As atividades enzimáticas in vitro frente a toxinas da peçonha de Bothrops erythromelas (Ber) (fosfolipásica, proteolítica e hialuronidásica) foram inibidas de maneira semelhante pelo extrato e FrEtOH de Ipc. As atividades in vivo frente os efeitos locais produzidos pela peçonha de Ber (edematogênica, hemorrágica e dermonecrose) foram reduzidas pelo tratamento com o gel Ipc 5%, assim como foi visualizado um efeito sinérgico quando utilizou o gel Ipc associado ao soro antiofídico. As inibições observadas foram promissoras, apresentando uma ação direta do extrato inibindo toxinas da peçonha quanto indireta através da inibição de mediadores endógenos envolvidos no envenenamento. Além disso, é possível relacionar a atividade aos compostos presentes no extrato, com destaque para os compostos fenólicos que atuam fortemente como anti-inflamatórios, antioxidantes e quelante de metais. Diante desse cenário, os resultados apontam o potencial da formulação desenvolvida, o que pode justificar o uso medicinal do extrato em picadas de serpente, podendo contribuir também no desenvolvimento de novos produtos fitoterápico no mercado para o tratamento dos efeitos locais do envenenamento botrópico.

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2330188 - GERLANE COELHO BERNARDO GUERRA
Externa à Instituição - JULIA MORAIS FERNANDES - UPC
Externa ao Programa - 067.469.464-36 - YAMARA ARRUDA SILVA DE MENEZES - UFRN
Notícia cadastrada em: 06/05/2022 11:07
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao