Banca de DEFESA: RITA NYKASSIA PINHEIRO SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RITA NYKASSIA PINHEIRO SANTOS
DATA : 30/07/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Link de acesso para videoconferência: https://meet.google.com/tpt-aixh-ntr
TÍTULO:

VITAMINA D E PRÉ-ECLÂMPSIA: 25-HIDROXI-VITAMINA D SÉRICA DIMINUÍDA NA PRÉ-ECLÂMPSIA PRECOCE E INVERSAMENTE CORRELACIONADA COM A RELAÇÃO ALBUMINA-CREATININA


PALAVRAS-CHAVES:

Pré-eclâmpsia, vitamina D, parâmetros bioquímicos.


PÁGINAS: 67
RESUMO:

A pré-eclâmpsia (PE) é uma doença específica da gestação caracterizada por hipertensão e lesão em órgão-alvo após 20 semanas de gestação. As complicações da PE podem comprometer diretamente a vida da mãe e do feto/neonato. Assim, o entendimento do desenvolvimento da doença pode levar a uma intervenção mais precoce e um manejo mais adequado, diminuindo o risco à saúde materna e fetal/neonatal. Neste sentido, há evidências da associação entre a deficiência de vitamina D e falha nos processos de imunomodulação que estariam diretamente relacionados ao desenvolvimento e a evolução da PE. Desta forma, o objetivo do presente estudo foi avaliar a concentração de 25-hidroxivitamina D (25(OH)D) e sua correlação com parâmetros bioquímicos gerais em gestantes com PE. Foram incluídas 45 gestantes, sendo 25 com diagnóstico de PE com sinais de gravidade (Grupo PE) e 20 normotensas (Grupo normotensas). Após assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido foram coletadas uma amostra de sangue em jejum, para a avaliação do perfil bioquímico geral e quantificação da 25(OH)D, e uma amostra da primeira urina da manhã para a determinação da relação albumina:creatinina urinária (RAC). Para a avaliação da vitamina D o grupo PE foi subdividido de acordo com o momento do desenvolvimento da PE, em grupo PE precoce (pacientes que desenvolveram PE antes da 34ª semana de gestação) e grupo PE tardia (pacientes que desenvolveram PE a partir da 34ª semana de gestação); e de acordo com a presença (grupo PE + HR) ou não (grupo PE) de hipertensão resistente associada. Em relação ao perfil bioquímico geral das pacientes observou-se valores aumentados de ureia (p<0,001), creatinina (p<0,001), RAC (p<0,001), ácido úrico (p<0,001), AST (p=0,016), LDH (p=0,002), fósforo (p=0,046) e magnésio (p<0,001), assim como valores diminuídos de albumina (p<0,001), proteína total (p<0,001) e cálcio (p<0,001), no grupo PE quando comparado às normotensas. No tocante à quantificação da 25(OH)D, foram observados valores estatisticamente menores no grupo PE precoce quando comparado ao grupo PE tardia (p = 0,045), não sendo observadas diferenças estatísticas entre os demais grupos estudados. Foi notada, ainda, uma correlação negativa entre os valores da 25(OH)D e da RAC (r=-0,765, p<0,001). Assim, conclui-se que há indícios de que a deficiência de vitamina D pode estar associada à PE precoce e que quanto menor a concentração de 25(OH)D maior será a gravidade da PE.


MEMBROS DA BANCA:
Externa ao Programa - 2306763 - KARINE CAVALCANTI MAURICIO DE SENA EVANGELISTA
Presidente - 1055045 - MARCELA ABBOTT GALVAO URURAHY
Externo à Instituição - RICARDO NEY OLIVEIRA COBUCCI - UnP
Notícia cadastrada em: 12/07/2021 09:33
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao