Banca de DEFESA: LETÍCIA GONDIM LAMBERT MOREIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LETÍCIA GONDIM LAMBERT MOREIRA
DATA : 28/02/2020
HORA: 09:00
LOCAL: SALA DE VIDEOCONFERÊNCIA DO IMD / UFRN
TÍTULO:

ALCALOIDES TROPÂNICOS DE Erythroxylum pungens O. E. Shulz (ERYTHROXYLACEAE): DO CONTEXTO EDAFOCLIMÁTICO DA CAATINGA À INVESTIGAÇÃO COMPORTAMENTAL EM Zebrafish (Danio rerio Hamilton)


PALAVRAS-CHAVES:

Alcaloides tropânicos; Erythroxylum pungens; Zebrafish; Danio rerio Caatinga, CG-EM


PÁGINAS: 93
RESUMO:

A biodiversidade brasileira oferece enorme riqueza de flora, oportunidade singular para a atividade de bioprospecção. Dentre as moléculas bioativas, encontradas na maioria dos organismos vegetais, os alcaloides representam uma ampla variedade de estruturas químicas. Dentre os biomas brasileiros, a Caatinga, vegetação predominante da região Nordeste, oferece patrimônio biológico que não pode ser encontrado em nenhum outro local do planeta. É neste ambiente xérico que se encontra a Erythroxylum pungens O.E Shulz, espécie arbórea-arbustiva com grande potencialidade em alcaloides bioativos pouco explorados. O objetivo deste trabalho é a bioprospecção de alcaloides tropânicos de Erythroxylum pungens O. E. Shulz, coletadas em ambiente natural, a avaliação do efeito do estresse hídrico em plantas jovens e avaliação do potencial bioativo in vivo em organismo modelo Danio rerio (Zebrafish), bem como, análise in silico do alcaloide majoritário. No Capítulo 1, realizou-se o experimento de estresse hídrico por meio da suspensão de rega em espécimes de E. pungens até 20 dias. Concluímos que E. Pungens consegue armazenar altos índices de prolina, aminoácido osmoregulador e protetor, como resposta à tolerância a seca. Também, a partir de análises por CG-MS, foi possível observar que a produção diferenciada de alcaloides tropânicos está relacionada mais com a fase de desenvolvimento do que com a condição de estresse hídrico em que a planta foi submetida. No capítulo 2 foi possível identificar, por meio de análises espectroscópicas realizadas por Cromatografia Gasosa acoplada à Espectrometria de Massas (CG-EM), que foram identificados 13 alcaloides tropânicos neste estudo, sendo três destes inéditos para a espécie e classe de alcaloide. O alcaloide majoritário do caule foi isolado e realizada a atividade biológica com ele. Realizou-se o ensaio de toxicidade, para as larvas, a dose letal foi de 4,73 mg/L enquanto não houve toxicidade em experimento com até 30 mg/L com peixes adultos. No ensaio comportamental de campo aberto com zebrafish adultos para avaliar a atividade bioativa do alcaloide tropânico majoritário dos caules, o 3α-(2-metilbutiriloxi)tropan-6,7-diol mostrou ação psicoestimulatória a 30 mg/L. No teste in silico, os alvos envolvidos nas vias antidepressivas foram identificados atracando com o alcaloide. 3α-(2-metilbutiriloxi)tropan-6,7-diol parece estar envolvido em alterações comportamentais do zebrafish e merece investigação futura como uma possível nova molécula no tratamento de sintomas depressivos, ou possível efeito alucinógeno.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - JEAN PAULO DE ANDRADE - UTalca
Externo à Instituição - FABIANO PERES MENEZES - UFRN
Externo ao Programa - 2276354 - LEANDRO DE SANTIS FERREIRA
Presidente - 1871916 - RAQUEL BRANDT GIORDANI
Notícia cadastrada em: 18/02/2020 10:46
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa25-producao.info.ufrn.br.sigaa25-producao