Banca de DEFESA: JACINTHIA BEATRIZ XAVIER DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JACINTHIA BEATRIZ XAVIER DOS SANTOS
DATA : 19/12/2018
HORA: 14:00
LOCAL: SALA 2 DO PPGCF
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA DE GÉIS A BASE DE
EXTRATOS VEGETAIS DE PLANTAS DO NORDESTE BRASILEIRO: Jatropha
gossypiifolia E Ipomoea pes-caprae


PALAVRAS-CHAVES:

Géis. Anti-inflamatório. Jatropha gossypiifolia. Ipomoea pescaprae.


PÁGINAS: 102
RESUMO:

O processo inflamatório é um evento fisiológico, cujos eventos gerados
nesse processo são ocasionados pela liberação de mediadores inflamatórios, com
o objetivo de restaurar a homeostase. Para o tratamento das inflamações são
utilizados fármacos anti-inflamatórios, no entanto, a terapia prolongada leva ao
aparecimento de reações adversas que podem ser danosas ao paciente, e diante
disso a busca por novas alternativas mais seguras e eficazes se faz relevante.
Nesse contexto, as plantas medicinais, como as espécies vegetais Jatropha
gossypiifolia (Jg) e Ipomoea pes-caprae (Ipc) podem ser destacadas como fortes
candidatas, já que na medicina tradicional são utilizadas popularmente para os
mais variados fins curativos, incluindo condições inflamatórias. Nesse sentido, no
presente estudo foi realizado o desenvolvimento de géis contendo os extratos
vegetais dessas espécies e a avaliação de sua atividade anti-inflamatória tópica,
utilizando os modelos de edema de orelha induzido por aplicação única de óleo
de cróton e edema de pata induzido por carragenina (inflamação aguda) e edema
de orelha induzido por aplicação múltipla de óleo de cróton (inflamação crônica).
Os géis apresentaram características físico-químicas adequadas e mostraram-se
estáveis durante 30 dias de observação, não apresentando nenhuma alteração na
cor, odor ou aspecto. Os géis apresentaram pH semelhante ao pH cutâneo,
minimizando dessa forma o aparecimento de irritação ou alteração cutânea,
resultados que corroborarram com os do teste de irritação cutânea in vivo, onde
os géis não apresentaram sinais clínicos de toxicidade entre os 14 dias de
observação, indicando a segurança do produto desenvolvido para uso tópico. Os
géis de Jg demonstraram atividade anti-inflamatória aguda significativa no edema
de orelha, e esta atividade foi significativamente aumentada quando quantidades
equivalentes de extrato foram aplicadas incorporadas nos géis desenvolvidos,
além disso, também reduziram significativamente os níveis de edema, nitrito e
enzima MPO nas orelhas de camundongos, com intensidade semelhante a
dexametasona (padrão antiinflamatório). O extrato de Ipc não apresentou
atividade no modelo de edema de orelha aguda, mesmo após incorporação no
gel, no entanto, inibiu significativamente o edema de pata durante todo a duração
do experimento semelhante a dexametasona. Os géis de Jg 1,0% e Ipc 5%
também mostraram significativo efeito anti-inflamatório no teste de inflamação
crônica, reduzindo significativamente o edema (observado também na análise
histopatológica) e oxidativos (peroxidação lipídica e a depleção de glutationa
reduzida) similarmente à dexametasona. Dessa forma, este estudo demonstrou a
potencialidade anti-inflamatória dos géis desenvolvidos com os extratos das
espécies J. gossypiifolia e I. pes-caprae, podendo servir como ponto inicial para o
desenvolvimento de produtos fitoterápicos para o tratamento de processos
inflamatórios.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2374605 - AURIGENA ANTUNES DE ARAUJO
Externo à Instituição - LUIZ ALBERTO LIRA SOARES - UFPE
Presidente - 1544647 - MATHEUS DE FREITAS FERNANDES PEDROSA
Notícia cadastrada em: 03/12/2018 14:06
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao