Banca de QUALIFICAÇÃO: ÉRICA CRISTINA DE SALES VAZ

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ÉRICA CRISTINA DE SALES VAZ
DATA: 30/09/2015
HORA: 09:00
LOCAL: SALA DE AULA II DO PPGCF
TÍTULO:

ESTUDOS DE TOXICIDADE IN VIVO e IN VITRO DO EXTRATO DAS FOLHAS DE
Ziziphus joazeiro Mart. (JUÁ) EM CAMUNDONGOS SWISS


PALAVRAS-CHAVES:

Ziziphus joazeiro, planta medicinal, citotoxicidade, toxicidade


PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

O uso de plantas medicinais é bastante difundido e encontra-se em expansão pelo mundo. Nem sempre existe literatura adequada para determinar as vantagens e riscos do uso de plantas na prática terapêutica. Nesse contexto, encontra-se o Ziziphus joazeiro Mart. (Rhamnaceae), conhecido popularmente como "juá", uma das espécies endêmicas do bioma caatinga. É nativa do nordeste do Brasil, ocorrendo nos diversos estados, distribuindo-se próximo aos vales sertanejos do estado do Piauí até o norte de Minas Gerais. Na medicina popular, juá é indicado no tratamento de gastrites, gripes, contusões e ferimentos, além de alívio da tosse, antiinflamatório, e também como antisséptico bucal e agente de limpeza dos cabelos e como medicamento para doenças de pele. Para permitir um uso seguro e eficaz de plantas medicinais é fundamental a realização de estudos prévios relacionados aos aspectos fitoquímicos, farmacológicos e toxicológicos. Porém, os estudos relacionados aos aspectos toxicológicos são escassos, e além disso, não existem estudos relacionados à toxicidade do extrato das folhas do Z. joazeiro, apenas das cascas. Assim, o objetivo desse estudo foi avaliar as atividades toxicológicas in vivo e in vitro do extrato hidroalcoólico de Ziziphus joazeiro Mart. em camundongos Swiss. Concentrações diferentes do extrato foram utilizadas para avaliação da atividade biológica e toxicológica, dentre elas eritrograma, contagem global de leucócitos e plaquetas, concentrações séricas de creatinina e uréia, enzimas aspartato aminotransferase (AST), alanina aminotransferase (ALT), dosagens de colesterol total
(CT), triglicerídeos (TG), e glicemia. Os ensaios citotóxicos foram realizados em linhagens de células 3T3, HepG2 e 786-0. Os resultados obtidos forneceram subsídios para a avaliação da toxicidade aguda, subcrônica e citotoxicidade do extrato. Os dados obtidos foram analisados pelos testes Student "t"/Mann-Whitney e teste"F"/Kruskal- Wallis associado ao teste de Dunnett. Em todos os testes o nível de significância foi de
5%.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1789788 - ADLEY ANTONINI NEVES DE LIMA
Presidente - 1218940 - ANTONIA CLAUDIA JACOME DA CAMARA
Externo ao Programa - 1755098 - PAULA DA SILVA KUJBIDA
Notícia cadastrada em: 08/09/2015 14:44
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa27-producao.info.ufrn.br.sigaa27-producao