Banca de DEFESA: PHILIPPE DE CASTRO MESQUITA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PHILIPPE DE CASTRO MESQUITA
DATA: 24/07/2015
HORA: 15:00
LOCAL: SALA DE AULA II DO PPGCF
TÍTULO:

NANOPARTÍCULAS CATIÔNICAS DE POLI (ÁCIDOLÁTICO) PARA LIBERAÇÃO MODIFICADA DE PEPTÍDEOS E PROTEÍNAS DA PEÇONHA DO ESCORPIÃO Tityus serrulatus 


PALAVRAS-CHAVES:

Nanopartículas; Poli(ácido lático); Funcionalização; Tityus serrulatus; Imunização.


PÁGINAS: 89
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Acidentes notificados envolvendo o envenenamento por escorpiões ainda são frequentes no Brasil, ocasionados principalmente pela espécie Tityus serrulatus, conhecido como escorpião amarelo. Embora os soros antiescorpiônicos sejam produzidos rotineiramente por diversos laboratórios oficiais, a eficácia de sua utilização depende da rapidez com que se inicia o tratamento e da eficiência na produção de anticorpos pelos animais imunizados. No presente trabalho, o desenvolvimento de nanopartículas poliméricas catiônicas de poli(ácido lático) teve como objetivo a busca de um sistema de liberação modificada para os peptídeos e proteínas presentes na peçonha do escorpião T. serrulatus, capaz de potencializar a produção de anticorpos em soro anti-veneno. As nanopartículas catiônicas foram obtidas por nanoprecipitação, após o estudo do efeito dos parâmetros da técnica sobre as propriedades físico-químicas das partículas, com a otimização de um método de baixa energia. A funcionalização da superfície das nanopartículas com a polietilenoimina hiper-ramificada foi comprovada pela análise de potencial zeta e possibilitou a adsorção por interação eletrostática
de diferentes tipos de proteínas. A eficiência de incorporação de 40-80 % de albumina de soro
bovino (BSA) e 100 % de peptídeos da peçonha do escorpião avaliadas por espectrofotometria e eletroforese em gel de poliacrilamida, confirmou o sucesso na escolha dos parâmetros do método de obtenção das nanopartículas, produzidas com tamanho entre 100 a 250 nm. A análise de microscopia de força atômica e estudos in vitro de liberação, mostraram que as nanopartículas esféricas fornecem um perfil sustentado de liberação das proteínas pelo mecanismo de difusão, que potencializou a produção de anticorpos antiveneno em animais imunizados com as nanopartículas contendo a peçonha do escorpião, comprovando o potencial para aplicação in vivo das nanopartículas.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2087759 - ANDRE DUCATI LUCHESSI
Presidente - 1639820 - ARNOBIO ANTONIO DA SILVA JUNIOR
Externo à Instituição - RICARDO BENTES DE AZEVEDO - UnB
Notícia cadastrada em: 16/07/2015 10:12
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao