Banca de DEFESA: CRISTINE TINOCO DA CUNHA LIMA ROSADO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CRISTINE TINOCO DA CUNHA LIMA ROSADO
DATA: 06/02/2013
HORA: 08:30
LOCAL: AUDITÓRIO DO CENTRO DE EDUCAÇÃO/UFRN
TÍTULO:

VOZES NÃO SILENCIADAS DE ALFABETIZANDOS JOVENS E ADULTOS E SUAS REPERCUSSÕES NA FORMAÇÃO DOCENTE.


PALAVRAS-CHAVES:

Vozes. Alfabetização. Jovens e Adultos. Formação Docente.


PÁGINAS: 565
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
RESUMO:

Pessoas com baixa escolarização têm sido historicamente silenciadas perdendo vez e voz na sociedade. A partir dessa preocupação, este trabalho de Doutorado tem como finalidade discutir a problemática que assim se configura: que concepções apresentam alfabetizandos jovens e adultos sobre si mesmos, sobre seu direito à educação, sobre a escola e seu processo de alfabetização? - Que contribuições - de vozes não-silenciadas de alfabetizandos da EJA - podem ser oferecidas num processo de formação continuada de seus professores? Na tentativa de responder a essas questões, são elencados três objetivos: 1 - Oportunizar a voz de alfabetizandos da EJA sobre o seu direito à educação, e o seu processo de alfabetização na escola formal. 2 - Conhecer a avaliação de alfabetizandos da EJA sobre si mesmos e sobre a Escola, em termos de sua estrutura e prática pedagógica. 3 - Fomentar, a partir das vozes dos alunos, um processo reflexivo de formação continuada para professores, na perspectiva de aproximar a prática docente dos anseios dos sujeitos alfabetizandos. Nessa direção, realiza-se, no âmbito da investigação qualitativa, um estudo de caso complementado pela pesquisa-ação, o que caracterizou a modalidade de estudo misto. Para a consolidação do estudo, foram selecionados vinte e seis alunos alfabetizandos da EJA e nove docentes da referida modalidade de ensino, de uma escola pública da cidade de Natal/RN. Como procedimentos de construção de dados, no tocante aos alunos, foram utilizados o questionário, a observação, a entrevista semidiretiva e a análise documental. No que se refere ao trabalho com as professoras, os dados foram construídos nos encontros de formação continuada, sendo estes audiogravados e, posteriormente, transcritos, além de se utilizar a estratégia metodológica do grupo focal, unindo as necessidades formativas dos docentes com a voz dos alunos. A organização e a análise dos dados foram orientadas por princípios da análise de conteúdo. Nessa análise, emergiram três categorias: o aluno da EJA como sujeito de direitos; a língua escrita na escola da vida e na vida da escola; concepções dos alunos sobre o que deve saber e fazer um professor da EJA. Ressalta-se que a investigação tem como eixo fundante a fala dos alunos da EJA no seu contexto escolar, procurando lhe atribuir um sentido pedagógico no processo de formação continuada de seus professores. O estudo aponta que os jovens e adultos alfabetizandos destacam a necessidade do aprendizado da leitura e da escrita, atribuindo a esse aprendizado significados próprios, relacionados às suas vivências. Além disso, reconhecem a complexidade do processo de aprendizagem da língua escrita, valorizando tanto a apropriação desta, quanto das diversas experiências práticas de uso social. A percepção de jovens e adultos sobre o seu processo de alfabetização contribui para a consolidação da prática pedagógica de alfabetizar letrando, sendo a alfabetização percebida como um meio para inúmeras aquisições na vida pessoal e profissional. Os alunos da EJA, apesar de reconhecerem que seus direitos básicos à educação foram negados, assumem parte da responsabilidade do seu insucesso escolar, desconsiderando, parcialmente, as questões sociais e políticas que permeiam a problemática do analfabetismo. Apesar de a criticidade ser estimulada no ambiente escolar investigado, muitos alunos da EJA ainda carregam os estigmas sociais em suas falas e vivências, os quais lhes imputam a visão depreciativa de si mesmos, como a de pessoas que fracassaram e que sofrem as penalidades da não alfabetização na idade própria. A pesquisa demonstra que é necessário superar a visão reducionista ainda lançada sobre os alunos da EJA, numa perspectiva para além de seus fracassos escolares. Assim sendo, a voz do aluno, em um processo de formação continuada, pode trazer contribuições que ajudam a compreender suas visões e expectativas sobre a dinâmica escolar, podendo iluminar possíveis estudos e, quiçá, novas práticas pedagógicas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 6347260 - MARIA ESTELA COSTA HOLANDA CAMPELO
Interno - 1149344 - MARCIA MARIA GURGEL RIBEIRO
Interno - 347267 - MARTA MARIA DE ARAUJO
Interno - 2507717 - TATYANA MABEL NOBRE BARBOSA
Externo à Instituição - IVANA MARIA LOPES DE MELO IBIAPINA - UFPI
Externo à Instituição - TELMA FERRAZ LEAL - UFPE
Notícia cadastrada em: 28/01/2013 10:05
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao