Banca de DEFESA: VENANCIO FREITAS DE QUEIROZ NETO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VENANCIO FREITAS DE QUEIROZ NETO
DATA: 24/10/2011
HORA: 09:00
LOCAL: SALA DE MULTIMEIOS/NEPSA/CCSA/UFRN
TÍTULO:

O ARTESÃO, O ARTESANATO E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA: UM OLHAR A PARTIR DO ASSENTAMENTO PALHEIROS III - UPANEMA/RN.


PALAVRAS-CHAVES:

Educação. Artesanato. Artesã. Identidade.


PÁGINAS: 110
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
RESUMO:

O objetivo principal desta pesquisa foi analisar a prática artesanal, a influência da mesma na formação da identidade social do artesão/artesã e sua relação com a educação ao longo da vida. Trata-se de uma investigação de caráter descritivo desenvolvida junto às artesãs do assentamento rural Palheiros III, em Upanema–RN, no qual foram adotadas como estratégias metodológicas a entrevista semi-estruturada, realizada individualmente e em grupo, e a observação direta participante. A análise dos conteúdos discursivos foi realizada através do método de análise categorial de conteúdo (BARDIN, 1997; BAUER, 2002) e os demais dados foram sistematizados e analisados com base nos apoios teóricos (MORIN; BOURDIEU; KAMPER; SENETT, dentre os principais). Constatou-se que ser artesã na realidade pesquisada é falar de um lugar distinto ocupado pela mulher; que, ao contrário da imagem do artesão/artesã, tão difundida principalmente pela mídia ligada ao turismo, como símbolo de defesa da tradição e do artesanato como arte, a população artesã de Palheiros encara sua atividade como um meio de sobrevivência; que essa atividade é também uma forma de ter acesso aos saberes formais e continuar se educando ao longo da vida.
Palavras-chave: Educação. Artesanato. Artesã. Identidade.
RÉSUMÉ
O objetivo principal desta pesquisa foi analisar a prática artesanal, a influência da mesma na formação da identidade social do artesão/artesã e sua relação com a educação ao longo da vida. Trata-se de uma investigação de caráter descritivo desenvolvida junto às artesãs do assentamento rural Palheiros III, em Upanema–RN, no qual foram adotadas como estratégias metodológicas a entrevista semi-estruturada, realizada individualmente e em grupo, e a observação direta participante. A análise dos conteúdos discursivos foi realizada através do método de análise categorial de conteúdo (BARDIN, 1997; BAUER, 2002) e os demais dados foram sistematizados e analisados com base nos apoios teóricos (MORIN; BOURDIEU; KAMPER; SENETT, dentre os principais). Constatou-se que ser artesã na realidade pesquisada é falar de um lugar distinto ocupado pela mulher; que, ao contrário da imagem do artesão/artesã, tão difundida principalmente pela mídia ligada ao turismo, como símbolo de defesa da tradição e do artesanato como arte, a população artesã de Palheiros encara sua atividade como um meio de sobrevivência; que essa atividade é também uma forma de ter acesso aos saberes formais e continuar se educando ao longo da vida.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149636 - MOISES DOMINGOS SOBRINHO
Interno - 4197701 - ERIKA DOS REIS GUSMAO ANDRADE
Interno - 1149390 - JOAO MARIA VALENCA DE ANDRADE
Externo à Instituição - ANDRE AUGUSTO DINIZ LIRA - UFCG
Notícia cadastrada em: 18/10/2011 09:06
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao