Banca de DEFESA: ANA CRISTINA SANTOS COSTA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANA CRISTINA SANTOS COSTA
DATA : 26/05/2022
HORA: 14:30
LOCAL: Centro de Educação
TÍTULO:

ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM INFORMÁTICA DO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL "SENADOR JESSÉ PINTO FREIRE"


PALAVRAS-CHAVES:

Gênero. Educação Profissional. Mulheres. Estereótipos. Centro Estadual de Educação Profissional.


PÁGINAS: 172
RESUMO:

O estudo foi desenvolvido no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Surgiu da escassez de publicações, no campo epistemológico da Educação Profissional (EP) no estado do Rio Grande do Norte (RN), acerca de estudos sobre os estereótipos de gênero relacionados à escolha de cursos profissionalizantes por parte das estudantes. Assim, justificamos a necessidade de nossa investigação, levando em conta as imbricações entre esses estereótipos e essas escolhas. O estudo teve como objetivo geral problematizar a opção das estudantes pelo Curso Técnico em Informática face aos estereótipos de gênero na rede estadual de Educação Profissional. Por objetivos específicos: construir um referencial teórico e histórico da educação feminina, voltada à qualificação para o trabalho especificamente no contexto potiguar; diagnosticar os lugares ocupados pelas mulheres nos documentos norteadores e nos dados da EP no RN e revelar rupturas e continuidades nos discursos das alunas concernentes às suas preferências profissionais em confronto com os estereótipos de gênero dentro do Curso Técnico integrado em Informática do Centro Estadual Educação Profissional “Senador Jessé Pinto Freire” (CENEP - SJPF). O estudo ocorreu à luz do referencial teórico dos estudos de gênero em diálogo com teóricos da EP. A abordagem metodológica da pesquisa é qualitativa, de natureza exploratória. Na composição do corpus da pesquisa, fizemos o uso da obra cinematográfica, o documentário Feministas: o que elas estavam pensando? (2018). Como estratégia metodológica, empregamos a Ficha de Análise Fílmica, além de questionário socioeconômico e demográfico, grupo focal e entrevista semiestruturada. Os dados coletados e construídos foram trabalhados por meio da Análise Textual Discursiva (ATD) proposta por Moraes e Galiazzi (2006). Os resultados apontaram que o curso de Informática da EP do RN tem predominância masculina, ainda sendo um campo de estudo e atuação considerado para homens. No entanto, o estudo revelou um crescente aumento de meninas no curso a cada ano. Quanto às escolhas das estudantes por um curso profissionalizante, constatamos que elas são direcionadas majoritariamente pelos seus parentes, levando também em conta as expectativas sociais de cada família. Na maioria das vezes, a escolha por um curso profissionalizante na área de informática ocorre pela persuasão de homens de sua convivência que já atuam nesse campo. Depreendemos também que as meninas entrevistadas já passaram por alguma situação em que sofreram discriminação ou preconceito de gênero por partes dos alunos ou durante o estágio, embora não percebessem a violência que sofreram e que estavam submetidas. Concluímos esse trabalho apontando a urgente necessidade de uma educação e formação pautadas na equidade entre os gêneros, não só na área do curso técnico em informática, foco desta dissertação, mas em todas as áreas da EP no estado.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 057.871.164-88 - AVELINO ALDO DE LIMA NETO - IFRN
Interno - 2310142 - AZEMAR DOS SANTOS SOARES JUNIOR
Interna - 1755707 - KARYNE DIAS COUTINHO
Externa à Instituição - FRANCINAIDE DE LIMA SILVA NASCIMENTO - IFRN
Externa à Instituição - NATÁLIA CONCEIÇÃO SILVA BARROS CAVALCANTI - IFPA
Notícia cadastrada em: 10/05/2022 14:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa10-producao.info.ufrn.br.sigaa10-producao