Banca de DEFESA: MARIA DE FATIMA JERONIMO MARQUES

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIA DE FATIMA JERONIMO MARQUES
DATA : 15/02/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório 01 do PPGEd - NEPSA II
TÍTULO:

QUESTÕES DE GÊNERO NA VIDA DE MULHERES MÃES DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA


PALAVRAS-CHAVES:

Mulheres; Relações Sociais de Gênero; Deficiência.


PÁGINAS: 220
RESUMO:

Nesta investigação consideramos que as determinações das relações sociais de gênero, expressas, sobretudo, na divisão sexual do trabalho implicam na responsabilização das mulheres pelos cuidados com a prole e realização do
trabalho doméstico. No âmbito da família de uma pessoa com deficiência, são as mulheres que mais realizam adaptações na rotina, ou passam a dedicar-se exclusivamente ao familiar dependente. Nesse sentido, além das relações de gênero determinar o lugar que a mulher assume no âmbito do cuidado com a prole, contribui na construção de ideias que as mulheres mães têm acerca do processo de maternar uma criança com deficiência. A partir desses elementos, temos o seguinte objetivo: Explicitar, a partir das relações sociais de gênero, as desigualdades vivenciadas pelas mulheres mães de crianças com deficiências colaboradoras da pesquisa, assim como os desafios enfrentados no cotidiano.Trata-se de uma pesquisa qualitativa, apoiada na metodologia da pesquisa￾ação. A pesquisa-ação propõe uma estreita associação entre pesquisador e os colaboradores da pesquisa na resolução de um problema suscitado pelo grupo colaborador, assume, pois, um caráter coletivo. Para fins de coleta e construção dos dados utilizamos a observação, realizada no contato direto com os sujeitos e instituição envolvida, a entrevista semiestruturada individual com 07 (sete) mulheres mães de crianças com deficiência, análise de documentos, para mapear e descrever o campo de pesquisa e seu território, intervenção com a participação de 05 (cinco) das 07 mulheres entrevistadas, aplicação deinstrumento de avaliação da intervenção. À guisa de conclusão, destacamos que a investigação explicitou a manutenção de concepções acerca da maternidade forjada na estreita associação entre religiosidade e gênero. As reflexões e diálogos promovidos mostraram que, alguns processos de adoecimentos,acometidos às mulheres estão relacionados a sobrecarga de atividades dedicadas aos/as filhos/as e a família assim como, é pouco o tempo dedicado as necessidades próprias. Identificou que, as mulheres mães colaboradoras da pesquisa vivenciam processos estigmatizantes que invisibiliza suas demandas e necessidades. Foi ainda possível explicitar que, como forma de enfrentamento a extenuante rotina constroem redes de apoio social que alivia o peso da caminhada.


MEMBROS DA BANCA:
Externa ao Programa - 1543230 - ELIANA COSTA GUERRA
Externa à Instituição - ISABEL MARIA SABINO DE FARIAS - UFC
Interna - 1149418 - LUCIA DE ARAUJO RAMOS MARTINS
Interna - 1714249 - MARIA APARECIDA DIAS
Externa à Instituição - MARIA MARINA DIAS CAVALCANTE - UECE
Externo à Instituição - MARIANGELA LIMA DE ALMEIDA - UFES
Presidente - 1756133 - RITA DE CASSIA BARBOSA PAIVA MAGALHAES
Notícia cadastrada em: 13/02/2019 16:10
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa10-producao.info.ufrn.br.sigaa10-producao