Banca de DEFESA: JAIR MOISES DE SOUSA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JAIR MOISES DE SOUSA
DATA : 02/08/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de Multimeios I
TÍTULO:

SOBRE A CONSTRUÇÃO DAS IDEIAS CIENTÍFICAS ou Darwin e seus demônios


PALAVRAS-CHAVES:

Complexidade. Implicação do sujeito na ciência. Charles Darwin. Metamorfose.


PÁGINAS: 160
RESUMO:

Daimons são obsessões cognitivas inconscientes que dominam os pensamentos dos sujeitos. Eles são frutos de experiências vividas, da educação escolar e familiar e dos traumas que marcam a história de vida das pessoas. Considerando a ciência uma prática humana, a construção das ideias científicas não está imune às interferências dos daimons. Daí porque problematizamos hoje o mito da neutralidade científica. A ciência é fortemente implicada pelas marcas pessoais dos sujeitos. O desejo maior que moveu esta tese foi minha obsessão de intuir os daimons de Charles Darwin, as marcas que o fizeram pensar o que pensou sobre a evolução das espécies. Para isso, lançamos mão da correspondência trocada por ele durante toda a sua vida, disponibilizada pelos projetos: Darwin online e Darwin correspondence; dos cadernos de anotações B, C, D, E, M e N e da obra As origens das espécies. Não segui um método rígido. As estratégias de método mudavam conforme informações novas exigiam um caminho novo. Revisitei minha história de vida, minhas experiências pessoais e escolares, mediante um exercício de exegese inspirado por Edgar Morin em Meus demônios, no intuito de compreender porque me tornei biólogo e porque resolvi trabalhar com as ideias darwinianas. Por meio do material de pesquisa aludido, me foi possível intuir, construir e formular três daimons de Darwin. Primeiro, o daimon do materialismo oriundo do pensamento positivista que marcou a época em que viveu. Foi com base nessa obsessão pela quantidade de provas, e pela robustez de fatos capazes de explicar um dado fenômeno relacionado à vida, que Darwin levantou fortes argumentos que corroboravam suas teorias transmutacionais das espécies. Dessa possessão resultou o rigor que sempre o acompanhou. O segundo daimon, que denominei de desvios, direcionou os olhares de Darwin para as características desprezadas pelos naturalistas de sua época, pois, para eles, não passavam de imperfeições. Porém, para Darwin, refletiam uma linguagem da natureza. Outros caminhos desviantes o acompanharam. A negação da existência de Deus e dos princípios que fundavam a fé anglicana foi essencial para a proposição da Seleção Natural como uma linguagem da natureza desvinculada dos desígnios divinos. O terceiro daimon chamei de migração conceitual e foi talvez o mais importante. Essa terceira obsessão permitiu ampliar o entendimento da vida, das ideias e dos argumentos de outras áreas da ciência e dos saberes. Foi assim com a noção de luta pela sobrevivência, vinda das teorias econômicas; da ideia de gradualidade e lentidão da ação das forças que originam novas espécies, oriunda da Geologia, e do conceito de seleção natural, proveniente dos saberes dos criadores de pombos, cavalos, cães e agricultores. A ação mútua desses três daimons permitiu a Darwin formular a teoria da transmutação das espécies e o fizeram pensar o que pensou. Quanto a mim, outra ciência, mas também outro sujeito emergiu. Darwin e o Grecom foram o casulo que conduziram minha transformação em direção a uma Biologia da complexidade.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1501788 - ALEXSANDRO GALENO ARAUJO DANTAS
Externo à Instituição - DANIEL MONTEIRO COSTA - InstitutoUKA
Interno - 282.302.644-49 - JOSINEIDE SILVEIRA DE OLIVEIRA - UERN
Externo à Instituição - MARCIO ADRIANO DE AZEVEDO - IFRN
Presidente - 347048 - MARIA DA CONCEICAO XAVIER DE ALMEIDA
Interno - 346478 - MARTA MARIA CASTANHO ALMEIDA PERNAMBUCO
Externo à Instituição - WYLLYS ABEL FARKATT TABOSA - IFRN
Notícia cadastrada em: 21/07/2017 12:10
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao