Banca de DEFESA: JAIME BIELLA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JAIME BIELLA
DATA: 18/12/2015
HORA: 14:00
LOCAL: AUDITÓRIO - CE
TÍTULO:

ERRAR: VERBO PLURAL. Uma crítica à concepção individualizante do erro


PALAVRAS-CHAVES:

Erro. Triangulação. Complexidade. Educação.


PÁGINAS: 164
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
RESUMO:

A presente tese aborda a temática do erro e, mais especificamente, o erro em sua dimensão epistemológica. Dois pensadores orientaram o trabalho de pesquisa: Donald Davidson e Edgar Morin. O ponto de partida é a Metáfora da Triangulação, apresentada em 1982 por Davidson. Triangulação, basicamente, é a interação entre dois falantes comunicando-se acerca de objetos e/ou eventos num mundo compartilhado por ambos. É no processo de triangulação que podemos identificar o erro como condição necessária, embora não suficiente, para a emergência da racionalidade, socialmente construída. O primeiro capítulo apresenta os resultados dos estudos acerca da triangulação e identifica, por um lado, três tipos de triangulação: da comunicação, do conhecimento e do mental, por outro, a ocorrência de dois níveis de triangulação: a primitiva e a complexa. A contribuição de Morin para a compreensão do erro e sua ocorrência nos diferentes níveis existenciais compõe o segundo capítulo da tese. A abordagem complexa do erro apoia-se em uma crítica ao modelo vigente de conhecimento, apontando a necessidade de se desenvolver um “conhecimento do conhecimento” e, numa concepção de sujeito bio-lógico, estrutura triangular que relaciona de forma não redutível três elementos: um conceito biológico (cérebro), um conceito psíquico (espírito) e um conceito organizacional (aparelho neurocerebral). Morin identifica dois níveis de erro. O primeiro se dá no âmbito do vivo e o segundo é atributo exclusivo do sujeito humano. A diferença entre os dois é a existência de uma relação – no segundo nível – entre erro e verdade, ou, “errância”. Tendo por base essa dupla sustentação teórica, foram analisadas (terceiro capítulo) três situações de aprendizagem com ocorrência de erro – pelo menos na perspectiva do professor – e que tornou possível chegar-se ao argumento principal da tese, que afirma a necessidade de substituir uma concepção individualizante do erro e concluir que o erro, tal como a racionalidade, é socialmente construído.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 349720 - ANGELA MARIA PAIVA CRUZ
Externo à Instituição - EDGARD DE ASSIS CARVALHO - ABA
Presidente - 347048 - MARIA DA CONCEIÇÃO XAVIER DE ALMEIDA
Interno - 346478 - MARTA MARIA CASTANHO ALMEIDA PERNAMBUCO
Externo à Instituição - OTAVIO AUGUSTO DE ARAUJO TAVARES - IFRN
Interno - 349752 - ROSALIA DE FATIMA E SILVA
Notícia cadastrada em: 02/12/2015 15:56
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao