Banca de DEFESA: ÂNGELO FELIPE CASTRO VARELA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ÂNGELO FELIPE CASTRO VARELA
DATA : 28/04/2022
HORA: 08:30
LOCAL: Videoconferência (Google Meet)
TÍTULO:

Sócio-poética das imagens materiais de Belchior: o sertão, a cidade, a América Latina e Arcádia reinventados


PALAVRAS-CHAVES:

Belchior. Música. Imagem. Imaginário. Cultura. Espaço Poético.


PÁGINAS: 179
RESUMO:

A presente tese é referente às letras musicais do cantor e compositor Antônio Carlos Belchior (1946-2017), mais conhecido como Belchior, famoso pelo sucesso na década de 1970 e um dos mais importantes expoentes da chamada Música Popular Brasileira (MPB). Problematizo que as imagens lítero-musicais que suscito em sessenta e uma canções do cancioneiro do artista cearense, constituem uma sócio-poética do espaço, isto é, que a referências a espaço como sertão, América Latina, por exemplo, se configura numa interpretação simbólica e imaginária de tipos e fenômenos sociais, como a mulher, o indígena, o pobre, o trabalhador, o negro, o nordestino, o migrante, entre outros. Desse modo, destaco a existência de espaços poéticos, ou seja, a coleção de imagens literárias, artísticas, as quais misturadas na obra de Belchior, são verdadeiras referências simbólicas, posto que essas marcações remetem a sentidos, significados, sentimentos, valores e ideias que denotam mudanças de caráter estético e pessoal em detrimento de um aspecto mais geofísico. Identifico, assim, quatro espaços poéticos: um sertão poético em Belchior, subdividido em sertão de Sobral, sertão religioso e sertão de Fortaleza, em seguida, uma cidade poética em Belchior, a qual também se subdivide em cidade da contracultura, da política e do erotismo, uma América Latina poética, subdividida em uma América Latina da vontade, e uma América latina poética do repouso e, por fim, um quarto espaço poético, a Arcádia, local último de produção do artista e do ser Belchior. Metodologicamente recorremos à leitura bachelardiana das imagens, associando cada espaço poético a um elemento – água, fogo, terra e ar – da imaginação material produzida por Gaston Bachelard, somado ainda a sua produção fenomenológica da poética do espaço. Associo ainda à leitura bachelardiana, a produção existente em outras mídias como entrevistas para TV, rádio e imprensa escrita, trabalhos biográficos, sobre Belchior, bem como diálogo e entrevista com um dos seus principais parceiros musicais, o também cantor e compositor Jorge Mello. Desse modo, compreendi que essas imagens alusivas que suscito nas canções de Belchior, retroagem sobre o comportamento e a biografia do artista. Para estudar as imagens presentes no cancioneiro do artista cearense, utilizei uma abordagem pluridisciplinar, em especial, a da imagem e do imaginário, a partir de Gaston Bachelard e James Hillman, em especial, destacando como os fenômenos do imaginário ligam-se aos fenômenos da cultura tomada como atividade, processo em constante mudança, expressa na abordagem de Zygmunt Bauman sobre a natureza da vida cultural.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 519.395.099-04 - ANA LAUDELINA FERREIRA GOMES - UFRN
Interno - 008.055.544-67 - FAGNER TORRES DE FRANÇA - UFRN
Interno - 1149562 - ORIVALDO PIMENTEL LOPES JUNIOR
Externo à Instituição - AILTON SIQUEIRA DE SOUSA FONSECA - UERN
Externa à Instituição - KARLLA CHRISTINE ARAÚJO SOUZA - UERN
Externo à Instituição - OZAIAS ANTONIO BATISTA - UFPI
Notícia cadastrada em: 01/04/2022 15:39
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao