Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIA DO PERPETUO SOCORRO ROCHA SOUSA SEVERINO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA DO PERPETUO SOCORRO ROCHA SOUSA SEVERINO
DATA: 12/06/2015
HORA: 09:00
LOCAL: A definir
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DO PROGRAMA INCLUIR NA UFRN: ACESSIBILIDADE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR NA UFRN


PALAVRAS-CHAVES:

Educação Especial; Política Pública; Avaliação; Deficiência


PÁGINAS: 101
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO:

A educação especial numa perspectiva inclusiva é uma ação estatal recente, data das últimas décadas do século XX, embora o atendimento educacional para as pessoas com deficiência remonte a Idade Moderna. No decorrer da história, registram-se paradigmas educacionais segregacionista, integracionista e orientados para a inclusão. No Brasil, a educação especial foi preconizada inicialmente na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) em 1961 e reafirmada em outros dispositivos legais, a exemplo da Política Nacional de Educação Especial publicada em 1994 e na LDB/1996. Entretanto, é a partir da Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência regulamentada pelo Decreto nº 3.298 de 1999, que a educação especial no ensino superior merece atenção e se constitui temática desse trabalho, de onde emerge nosso objeto de estudo o Programa Incluir: acessibilidade na educação superior. Formulamos a pergunta de pesquisa: como o Programa Incluir está sendo implementado na UFRN? com o objetivo de avaliar a implementação do Programa Incluir na UFRN. Provisoriamente, atribuímos a seguinte resposta ao nosso questionamento: o atendimento educacional especializado realizado/orientado/coordenado pela Comissão Permanente de Apoio ao Estudante com Necessidade Educacional (CAENE) está contribuindo para a implementação do Programa Incluir na UFRN, mas a reduzia efetivação de práticas pedagógicas inclusivas pelos professores se constitui obstáculo nesse processo. Os procedimentos metodológicos foram sistematizados em três momentos: formulação do problema de pesquisa, organização da pesquisa e realização da pesquisa de campo. Constituem-se sujeitos da pesquisa o presidente e os técnicos da CAENE, discentes com deficiência física, auditiva, visual, intelectual, ou múltipla matriculados no campus central, na modalidade ensino presencial, em nível de graduação; professores que têm em suas turmas, no semestre de realização da pesquisa, acadêmicos com deficiência, Pró-Reitor de Pesquisa e Extensão. Para a coleta de dados primários estamos utilizando as seguintes técnicas/instrumentos: observação assistemática, entrevista semiestruturada, e fotografias para ilustrar os ambientes, as edificações, mobiliários e equipamentos de tecnologia assistiva e, dados secundários análise de documentos, além de todo o processo ser perpassado pela revisão de literatura.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149332 - LINCOLN MORAES DE SOUZA
Interno - 1475558 - LORE FORTES
Externo ao Programa - 3315373 - LUZIA GUACIRA DOS SANTOS SILVA
Notícia cadastrada em: 02/06/2015 10:04
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao