Banca de DEFESA: DYONATAN FONSECA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DYONATAN FONSECA SILVA
DATA : 26/06/2024
HORA: 13:00
LOCAL: remota
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DO PERFIL DE METALOPROTEINASES EM AMOSTRAS DE TECIDOS DE ANIMAIS INFECTADOS EXPERIMENTALMENTE COM Trypanosoma cruzi


PALAVRAS-CHAVES:

Zimografia, Metaloproteinase, Trypanosoma cruzi, doença de Chagas, Patogênese.


PÁGINAS: 83
RESUMO:

 

A doença de Chagas (DCh) tem como agente etiológico o parasito Trypanosoma cruzi (T. cruzi) e caracteriza-se por ter duas fases clínicas: a aguda e a crônica. Durante a fase aguda, o parasito se instala em tecidos para os quais possui tropismo  e desregula citocinas e metaloproteinases de matriz (MMPs), sendo esses os principais fatores de risco para o desenvolvimento de cardiopatias, que são as complicações mais frequentes na fase aguda e crônica da doença. O presente estudo teve como objetivo a otimização de métodos baseados em gel, como SDS-PAGE e zimografia, para avaliar se a infecção por T. cruzi seria capaz de alterar o perfil de metaloproteases de órgãos chave durante a fase aguda da DCh. Para isso, obteve-se o extrato proteico total das formas epimastigotas de T. cruzi cepa Y provindas de cultivo axênico e realizou-se a infecção experimental com formas tripomastigotas sanguíneas em camundongos fêmeas que foram separados em três grupos: não infectados (CN, controle negativo, n=3) e infectados eutanasiados 17 (D17, n=3) e 32 (D32, n=3) dias após a infecção. Os animais controles foram utilizados para padrão de comparação com animais infectados. Coração, baço, fígado e sangue dos animais de todos os grupos foram coletados para a produção de extrato total e plasma sanguíneo. A otimização permitiu a determinação do perfil proteico de T. cruzi, o que revelou bandas com pesos moleculares aproximados de 95, 85, 63, 57, 48 a 52, 43 a 45, 40 a 41, 29 e de 18 a 20 kDa, que foram discutidas quanto a sua possível identificação e função na infecção. Os resultados também demonstraram os perfis proteicos do tecido cardíaco, esplênico, hepático e do plasma nos três grupos analisados. O zimograma de T. cruzi revelou 3 bandas de atividade com pesos moleculares aproximados de 66 kDa, 55 kDa e 35 kDa, sendo também observada uma faixa de fraca atividade dispersa entre 66 e 35 kDa. No grupo dos animais infectados, foram observados sinais clínicos de hepatomegalia e esplenomegalia característicos do quadro agudo da DCh. Diversas metaloproteases capazes de degradar gelatina foram reveladas no zimograma dos tecidos e plasma, em especial no tecido esplênico. Observou-se diferença na expressão delas durante a infecção aguda apenas no tecido esplênico e cardíaco, sendo a alteração ocorrida no tecido cardíaco relacionada com o aumento na expressão de uma protease de 93 kDa, provável pró-MMP-9, e, no baço, de uma protease desconhecida de aproximadamente 146 kDa. Em suma, os achados fornecem informações relativas ao padrão de expressão proteica e proteolítica para T. cruzi e para os órgãos analisados mais o plasma, revelando proteínas abundantes como possíveis alvos imunogênicos contra T. cruzi e servindo para fins de comparação da diversidade genética e funcional do parasito em conjunto com outros estudos, além de confirmar alterações na expressão de proteases durante a fase aguda da DCh, abrindo portas para soluções de diagnóstico e tratamento pautado na necessidade e viabilidade da inibição destas proteínas.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - ALINE RIMOLDI RIBEIRO
Externa à Instituição - CLÁUDIA JASSICA GONÇALVES MORENO
Presidente - 2275890 - MARCELO DE SOUSA DA SILVA
Externo à Instituição - TAFFAREL MELO TORRES - UFERSA
Notícia cadastrada em: 13/06/2024 09:02
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao