CCHLA - PGAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL DIREÇÃO DO CCHLA Telefone/Ramal: (84) 3342-2240/2 http://www.posgraduacao.ufrn.br/ppgas

Banca de QUALIFICAÇÃO: PAULO GOMES DE ALMEIDA FILHO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : PAULO GOMES DE ALMEIDA FILHO
DATA : 01/10/2018
HORA: 14:30
LOCAL: Laboratório II do Departamento de Antropologia
TÍTULO:

Jogos do mar-alto: os pescadores, as técnicas e os seres marinho


PALAVRAS-CHAVES:

Coletivos Pesqueiros, Processos técnicos, Relações humano-animal. 


PÁGINAS: 93
RESUMO:

O mar é o palco de uma das relações mais complexas da sociedade-natureza: o encontro
possível através da mediação técnica pesqueira entre homens e seres marinhos.
Diferentemente do que supõe a ontologia naturalista – onde sociedade e natureza formam
conjuntos opostos –, da qual nós ocidentais somos herdeiros, o mar é o espaço onde homens,
artefatos técnicos e animais formam plenamente um coletivo. A partir da pesquisa
bibliográfica e da experiência empírica do autor sobre coletivos pesqueiros, percebeu-se no
universo da pesca potiguar a existência da metáfora nativa
jogo, cujo conteúdo expressa o
encontro entre homens e seres marinhos na luta pela sobrevivência diária. Esta categoria
expressa um sistema de relações que compreende humano-técnica-animal, operacionalizada
por duas condições que, etnograficamente, chamamos de
perícia-técnica e moral-técnica.
Ambas categorias são experimentos conceituais nossos, construídos a partir da interlocução
com os pescadores interlocutores da pesquisa. A primeira diz respeito ao domínio do conjunto
das técnicas de pesca – tradução do repertório extenso de conhecimentos construídos sobre o
mar, transmitidos através da oralidade e, principalmente, pela educação dos corpos. A
segunda diz respeito à regra para a predação, consiste no uso de técnicas que não eliminam
totalmente as possibilidades de ―vitória‖ do pescado, ou seja, a sua escapatória. Desta forma,
Jogar com o peixe expressa a subjetivação dos seres marinhos, o reconhecimento da
capacidade de ação destes e a ruptura com a oposição sujeito-objeto. Saber jogar, em termos
êmicos, significa operacionalizar concomitante as duas noções anteriormente citadas, o que
confere ao pescador prestígio social em seu agrupamento. Contudo, as relações com o mar e
com os não-humanos são diferentes entre os pescadores da pequena pesca e os pescadores
empregados em companhias industriais. Tal distinção é reforçada constantemente nos
discursos dos trabalhadores da pesca, entre estes, os pescadores artesanais do município de
Caiçara do Norte (localizado no litoral norte do Estado do Rio Grande do Norte) e os
pescadores assalariados de Natal (capital do mesmo Estado). De um modo geral, os
pescadores artesanais alegam que os pescadores assalariados/
embarcados não jogam com
peixe
. Pelo exposto, o objetivo deste estudo é partir da noção de jogo e desdobrá-lo para
compreender aspectos mais gerais da relação entre humanos, coisas e animais no segmento
artesanal e industrial da pesca potiguar. Para tal, investimos no engajamento nos processos
técnicos de ambos os segmentos como método de pesquisa e em uma abordagem etnográfica
multiespécies para a compreensão da convivência e cooperação entre homens e seres
marinhos.



MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1219932 - FRANCISCA DE SOUZA MILLER
Interno - 1337383 - JOSE GLEBSON VIEIRA
Interno - 1360691 - RITA DE CASSIA MARIA NEVES
Externo à Instituição - CRISTIANO WELLINGTON NOBERTO RAMALHO
Notícia cadastrada em: 21/09/2018 14:08
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao