CCHLA - PGAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL DIREÇÃO DO CCHLA Telefone/Ramal: (84) 3342-2240/2 http://www.posgraduacao.ufrn.br/ppgas

Banca de QUALIFICAÇÃO: JULYANA VILAR DE FRANCA MANGUINHO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JULYANA VILAR DE FRANCA MANGUINHO
DATA : 22/02/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 913
TÍTULO:

PRÁTICAS FEMINISTAS EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS


PALAVRAS-CHAVES:

gênero, contextos educacionais, práticas feministas.


PÁGINAS: 145
RESUMO:

As ideias e questionamentos sobre as diferenças de gênero estão sendo experienciadas e reivindicadas em amplos domínios sociais, seja nas redes virtuais, nas manifestações de rua ou em espaços educacionais, como escolas e universidades. É nesse contexto que se insere minha pesquisa etnográfica, onde busco por meio da minha inserção em instituições educacionais acessar as práticas feministas que estão sendo desenvolvidas nesses espaços, enfatizando as trajetórias, experiências femininas e construção dos discursos e narrativas. O objetivo é perceber quais são as concepções de gênero que estão sendo construídas nesses espaços, que são mobilizadas por reflexões feministas, buscando abordar quais as estratégias de negociações estão sendo construídas dentro do campo relacional e complexo, encontrando as possíveis tensões e contradições dentro desse universo. Assim o enfoque é dado na construção das agencialidades em campo, nos processos, dinâmicas e nas diversas dimensões conectadas com as pautas feministas contemporâneas. Com isso, pretendo dar voz as interlocutoras para que sejam evidenciadas questões sobre seus projetos, inquietações e “bandeiras”, dentro de uma perspectiva que interseccione noções sobre corpo, classe, raça e sexualidades, articulando com outros marcadores, como os movimentos sociais feministas e o ativismo digital. Minha trajetória na pesquisa foi sendo estruturada nas redes educacionais, transitando por escolas, institutos federais e universidade. As análises e reflexões desencadeadas em campo sinalizam que é possível construir práticas de resistência as desigualdades de gênero nos espaços educacionais, apontando também que convenções sociais e discursos hegemônicos são reproduzidos e normatizados.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149569 - ELISETE SCHWADE
Interno - 2313763 - ANGELA MERCEDES FACUNDO NAVIA
Interno - 1691014 - ROZELI MARIA PORTO
Notícia cadastrada em: 15/02/2018 11:02
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao