Banca de DEFESA: VLADIMIR GALDINO SABINO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : VLADIMIR GALDINO SABINO
DATA : 28/11/2022
HORA: 16:00
LOCAL: Plataforma Google Meet
TÍTULO:

EFEITOS DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE EM OSTEOBLASTOS CULTIVADOS EM ARCABOUÇOS NANOFIBROSOS DE ÁCIDO POLILÁTICO


PALAVRAS-CHAVES:

fotobiomodulação; osso; engenharia de tecidos ósseos; polímeros.


PÁGINAS: 53
RESUMO:

A engenharia de tecidos ósseos é um ramo importante da medicina regenerativa e envolve o desenvolvimento de arcabouços com composição e arquitetura favoráveis à integração celular, além do estudo de fatores capazes de promover a adesão e proliferação celular, incluindo estímulos químicos e biofísicos. O objetivo do estudo foi avaliar a utilização do laser de baixa intensidade (LBI) como uma ferramenta para promover a bioestimulação in vitro de células osteoblásticas cultivadas em arcabouços nanofibrosos de ácido polilático (PLA). Os arcabouços foram produzidos pela técnica de eletrofiação e caracterizados quanto à molhabilidade, composição pela espectroscopia no infravermelho por transformada de Fourier (FTIR), morfologia da superfície por microscópica eletrônica de varredura (MEV), caracterização termogravimétrica (TGA), calorimetria diferencial exploratória (DSC) e cristalinidade por difração de raios-X (DRX). Os ensaios biológicos foram conduzidos com osteoblastos da linhagem OFCOL II cultivados na superfície dos arcabouços e submetidos ou não (grupo controle) a irradiação com laser diodo InGaAIP nas doses de 1, 4 e 6 J/cm², potência de 30 mW, nos comprimentos de onda de 660 nm (V, luz vermelha) e 780 nm (IV, infravermelha). Após a irradiação, os efeitos do LBI na proliferação dos osteoblastos foram avaliados através do método bioquímico Alamar Blue, nos intervalos de 24, 48 e 72h, enquanto a viabilidade e a morfologia celular foram analisadas no intervalo de 72h, através do ensaio Live/Dead e da microscopia eletrônica de varredura (MEV), respectivamente. Os dados do ensaio bioquímico de Alamar Blue mostraram uma maior proliferação celular nos grupos V1 e V6, apresentando o V6 uma porcentagem de redução do Alamar significativamente maior em todos os intervalos de tempo em comparação ao grupo controle (p<0,05). Outras diferenças entre o grupo controle e irradiados foram encontradas apenas nos intervalos de 48h e 72h para V1, e para o grupo IV6 em 72h. O ensaio Live/Dead revelou um aumento na viabilidade celular nos grupos trados com LBI, sendo significativamente maior no grupo V1 quando comparado ao grupo controle. A análise por MEV mostrou adequada interação dos osteoblastos aos arcabouços em todos os grupos, com o corpo celular se espalhando ao longo do eixo da nanofibra, sendo observado contatos físicos mais evidentes, através da formação de ligação por meio de filopódios e lamelipódios, nos grupos V1, V6 e IV6, os mesmos que exibiram destaques proliferativos no ensaio Alamar Blue. Em conjunto, os dados do presente trabalho mostraram que o LBI promove a bioestimulação de osteoblastos cultivados sobre nanofibras de PLA, o que aponta para o seu uso potencial nas técnicas de engenharia tecidual óssea.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2220417 - CARLOS AUGUSTO GALVAO BARBOZA
Interna - 1298808 - MARCIA CRISTINA DA COSTA MIGUEL
Externo à Instituição - CARLOS EDUARDO BEZERRA DE MOURA - UFERSA
Notícia cadastrada em: 25/11/2022 12:21
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao