Banca de DEFESA: BRUNA KATHERINE GUIMARÃES CARVALHO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : BRUNA KATHERINE GUIMARÃES CARVALHO
DATA : 28/09/2022
HORA: 13:30
LOCAL: REMOTA
TÍTULO:

PLACAS ESTABILIZADORAS CONFECCIONADAS PELO MÉTODO DIGITAL: ENSAIO MICROBIOLÓGICO E RESISTÊNCIA A FRATURAS IN VITRO


 


PALAVRAS-CHAVES:

Placas estabilizadoras; CAD/CAM; Resistência à fratura; Adesão microbiológica.

 


PÁGINAS: 67
RESUMO:

O aprimoramento da tecnologia CAD/CAM permitiu a confecção de placas estabilizadoras digitais, no entanto, há lacunas acerca do comportamento desses dispositivos frente a variáveis mecânicas e biológicas ainda desconhecidas. Dessa forma, o objetivo desse trabalho foi verificar se as resinas utilizadas na tecnologia digital das placas fresadas e impressas são capazes de influenciar na resistência à fratura e na adesão de micro-organismos em relação às resinas empregadas na confecção das placas termopolimerizáveis convencionais. Para tanto, foi realizado um estudo in vitro que contou com as fases mecânica e microbiológica, sendo cada uma composta pelos grupos Convencional (GC) (n=30), Fresado (GF) (n=30) e Impresso (GI) (n=30), de acordo com o método de confecção, possuindo cada um três subgrupos (n=10) que variaram a espessura dos espécimes de 1 a 3 mm. Na fase mecânica, as amostras, com formato de barras de 65 mm, foram testadas quanto à resistência à fratura na máquina de ensaios universal, com célula de carga de 500 kgf e velocidade de  1mm/min; na microbiológica, a forma foi de discos com 15 mm de diâmetro, submetidos à adesão de micro-organismos à superfície com a exposição a Streptococcus mutans e mantidos por 24h a 35 °C em estufa para sucessiva contagem de UFC. Os dados foram armazenados no SPSS 22.0 e a análise estatística contou com a ANOVA e o pós-teste de Tukey. Nos resultados da fase mecânica, o ANOVA identificou diferenças estatisticamente significativas entre os grupos (p≤0,005), mostrando que GC e GF apresentaram melhores resultados. O pós-teste de Tukey considerou diferença estatisticamente significativa entre GF e GI (p=0,031), elencando GF como superior. Para a fase microbiológica, não foram verificadas diferenças estatísticas entre os grupos (p>0,005) em nenhuma das análises. Observou-se que para a resistência a fraturas, as resinas do modo fresado descreveram resultados superiores e/ou próximos aos da técnica convencional; e que as resinasda técnica impressa são superiores quanto à adesão superficial de micro-organismos.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2946627 - ERIKA OLIVEIRA DE ALMEIDA
Interno - 1466265 - GUSTAVO AUGUSTO SEABRA BARBOSA
Externa ao Programa - 3138832 - MARIA REGINA MACEDO COSTA - nullExterno à Instituição - Paulo Cézar Simamoto Júnior - UFU
Externa à Instituição - SHEILA RODRIGUES SOUSA PORTA - UFU
Notícia cadastrada em: 27/09/2022 07:52
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa18-producao.info.ufrn.br.sigaa18-producao