Banca de QUALIFICAÇÃO: DÁUREA ADÍLIA CÓBE SENA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DÁUREA ADÍLIA CÓBE SENA
DATA : 27/04/2022
HORA: 14:00
LOCAL: PLATAFORMA VIRTUAL
TÍTULO:

ESTUDO DA IMUNOEXPRESSÃO DE PROTEÍNAS ENVOLVIDAS NA TRANSIÇÃO EPITÉLIO-MESÊNQUIMA EM TUMORES DE GLÂNDULA SALIVAR


PALAVRAS-CHAVES:

Neoplasias de glândula salivar, Transição epitélio/mesenquimal (TEM), Snail1, Twist1, E-caderina, Vimentina, MMP9, Miofibroblasto.Imuno-histoquimica.


PÁGINAS: 90
RESUMO:

Os tumores de glândula salivar (TGS) apresentam baixa prevalência, compreendendo 3% de todos os tumores de cabeça e pescoço. Diante dessa raridade, compreender os eventos envolvidos na transformação maligna, bem como na progressão dos TGS, tem sido, frequentemente, o objetivo de muitos estudos. Uma das dinâmicas envolvidas na progressão e invasão tumoral de diversos tipos de carcinoma é a transição epitélio-mesênquima. Neste processo as células epiteliais sofrem transição para um estado mesenquimal móvel, favorecendo a invasão e metástase. Para adquirir este fenótipo, as células epiteliais alteram a expressão de genes e os níveis de proteínas. Ocorre a perda da expressão da E-caderina, cuja proteína é responsável pela adesão celular. Genes como Twist1 e Snail passam a ser expressos e codificar fatores de transcrição repressores da E-caderina. Altos níveis da vimentina (VM) são observados a fim de compor uma rede citoesquelética a qual direciona a motilidade celular. Aliado a isso, os miofibroblastos, células estromais ativadas que expressam alfa actina de músculo liso (α-SMA), secretam metaloproteinase de matriz nove (MMP-9), cuja função é degradar a matriz extracelular e facilitar a migração de células tumorais. Dessa forma, esta pesquisa busca avaliar e comparar a imunoexpressão destes marcadores em TGS, bem como correlacionar com parâmetros clinicopatológicos. Serão selecionados 20 casos de Adenoma pleomórfico, 20 de Carcinoma adenoide cístico, 20 de Carcinoma mucoepidermoide, 10 de Adenocarcinoma polimorfo, 10 de Carcinoma ex-adenoma pleomórfico e 10 de Carcinoma epitelial-mioepitelial. Posteriormente será realizada análise semi-quantitativa no parênquima dos tumores para os marcadores E-caderina, Snail e Twist1. Será avaliada a intensidade de expressão (IE) e a percentagem de células positivas (PP), cuja soma destes gerará uma pontuação entre 0 e 7. Casos com pontuação entre 0 e 4 serão classificados como de baixa expressão e os com 5 a 7, como de alta expressão. A marcação de α-SMA, VM e MMP-9 será analisada em região de estroma. Células positivas para α-SMA, excluindo-se paredes de vasos, serão contabilizadas para cada caso em 10 campos. A média de todos os casos representará o ponto para categorizar os casos como alta ou baixa expressão para este marcador. A MMP-9 será avaliada quanto a IE e a PP e categorizadas em 3 escores. Estes valores serão multiplicados e os casos com valores entre 0 e 3, serão tidos como de baixa expressão e entre 6 e 9, alta expressão. A VM será avaliada de forma qualitativa, utilizando-se 4 escores de acordo com a IE e se   a marcação é difusa ou focal. Os resultados obtidos serão submetidos à análise estatística com o auxílio do programa Statistical Package for the Social Sciences, considerando um nível de significância de 5%.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 346077 - LELIA BATISTA DE SOUZA
Externa ao Programa - 3218128 - AMANDA KATARINNY GOES GONZAGA
Externo à Instituição - LEORIK PEREIRA DA SILVA - UFCG
Notícia cadastrada em: 26/04/2022 12:09
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao