Banca de DEFESA: NARA RÉGIA DA SILVA DOMINGOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : NARA RÉGIA DA SILVA DOMINGOS
DATA : 09/11/2021
HORA: 09:00
LOCAL: PLATAFORMA VIRTUAL
TÍTULO:

IMUNOEXPRESSÃO DAS PROTEÍNAS E-CADERINA E TWIST1 EM NEOPLASIAS DE GLÂNDULAS SALIVARES


PALAVRAS-CHAVES:

Glândulas salivares. Neoplasias. Transição epitelial-mesenquimal. Imuno-histoquímica


PÁGINAS: 83
RESUMO:

As neoplasias de glândulas salivares apresentam uma grande diversidade de aspectos morfológicos e comportamentos biológicos, trazendo dificuldades diagnósticas e suscitando interesse na pesquisa cientifica destas lesões. Por sua vez, é reconhecida a importância   da transição epitelial-mesenquimal (TEM) a qual desempenha um papel fundamental na invasão e progressão tumoral sendo uma etapa necessária para a metástase. Nesse processo, as células epiteliais perdem sua adesão e polaridade e adquirem propriedades mesenquimais e aumento da motilidade, com diminuição da expressão de biomarcadores epiteliais e aumento da expressão de biomarcadores mesenquimais com o envolvimento de diversos fatores de transcrição. Dentre os biomarcadores envolvidos nesse processo, estão a E-caderina e o Twist, que participam de maneira fundamental no processo da TEM. Diante disso, este estudo teve por objetivo investigar a imunoexpressão das proteínas E-caderina e Twist1 em Adenoma Pleomórfico (AP), Carcinoma Adenoide Cístico (CAC) e Carcinoma Ex-Adenoma Pleomórfico (CaExAP) objetivando melhor compreensão do processo de TEM nesse grupo de lesões. O estudo foi do tipo transversal e a amostra foi composta por 20 casos de AP, 20 de CAC e 10 de CaExAP, nos quais foram analisadas as imunoexpressões das proteínas E-caderina e Twist1 no parênquima tumoral. Foram investigadas possíveis diferenças entre o padrão de expressão destas proteínas com o perfil clinicopatológico das lesões estudadas. Foi observada diferença estatisticamente significativa entre uma maior expressão da E-caderina membranar e a natureza benigna dos TGS estudados (p = 0,030), entretanto, as imunoexpressões citoplasmáticas da E-caderina e Twist1 não demonstraram resultados significativos quanto à natureza benigna/maligna das lesões (p > 0,05). Em relação aos padrões histopatológicos do AP e subtipos histológicos dos CAC, não foram observadas diferenças estatisticamente significativas entre as imunoexpressões das proteínas estudadas, da mesma forma para a localização anatômica dos casos de nossa amostra (p > 0,05). Ao se avaliar possíveis diferenças entre a imunoexpressão das proteínas E-caderina (citoplasmática e membranar) e Twist1 com as características clínicas das neoplasias malignas (CAC e CaExAP), foram evidenciadas diferenças estatisticamente significativas entre uma maior expressão da E-caderina citoplasmática em tumores de maior tamanho (p = 0,024). A imunoexpressão membranar da E-caderina não demonstrou resultados estatisticamente significativos para nenhum dos parâmetros clínicos investigados nas neoplasias malignas incluídas no presente estudo (p > 0,05). Nossos resultados sugerem a participação dessas proteínas em neoplasias de glândulas salivares, além de que a alta expressão citoplasmática da E-caderina pode ser indicativa de tumores com pior comportamento clínico.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 346077 - LELIA BATISTA DE SOUZA
Interna - 1258693 - LELIA MARIA GUEDES QUEIROZ
Externo à Instituição - LEORIK PEREIRA DA SILVA - UFCG
Notícia cadastrada em: 29/10/2021 11:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao