Banca de DEFESA: AMANDA CARLA BATISTA QUERINO DA ROCHA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : AMANDA CARLA BATISTA QUERINO DA ROCHA
DATA : 21/03/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do Curso de Engenharia Ambiental (Sala 212 do CTEC/UFRN)
TÍTULO:

FREQUÊNCIA DE COLIFORMES TERMOTOLERANTES EM PRAIAS DO LITORAL POTIGUAR (RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL)



PALAVRAS-CHAVES:

Balneabilidade. Qualidade da água. Índice. Saúde dos turistas.


PÁGINAS: 25
RESUMO:

O desenvolvimento do turismo no Brasil está relacionado com os seus recursos naturais, incluindo as praias do litoral nordestino, onde há uma preocupação crescente com a sua balneabilidade, ou seja, com a qualidade das águas das praias para recreação. Os impactos mais comuns nos ambientes costeiros são causados por deficiências em saneamento básico e pelo uso e ocupação desordenados do solo, que acarretam o lançamento de contaminantes no mar, afetando a saúde pública. Considerando que os coliformes termotolerantes (antes conhecidos como fecais) são os indicadores básicos para a classificação das praias quanto à balneabilidade, este trabalho tentou entender a dinâmica de concentrações de coliformes termotolerantes nas praias do Rio Grande do Norte entre 2010 e 2016, propondo um Índice de Balneabilidade (BALI) que resume, baseado em aspectos físicos e visuais, as condições sanitárias e ambientais das praias. Os resultados mostram que: i) 7% das amostras apresentam concentrações de microorganismos acima do limite tolerado (1000 NMP/100ml); ii) não há nenhum padrão na dinâmica temporal de coliformes; iii) todos os pontos apresentaram alta variação em relação à média; iv) praias próximas a desembocaduras de rios têm maior frequência de concentrações elevadas de coliformes, especialmente no rio Potengi, com 25% das amostras acima de 1000 NMP/100ml; v) as relações entre precipitação pluviométrica e concentração de coliformes não são fortes (r < 0,369), mas são significativas, sendo que as chuvas acumuladas entre um e três dias apresentam maiores valores do que entre cinco e sete dias; vi) o índice proposto (BALI) teve baixos valores apenas para a cidade do Natal e em geral também mostrou baixa correlação com as concentrações das bactérias analisadas. Nossa principal conclusão é que praias próximas a rios têm de ser evitadas pelos banhistas, além disso, há baixa frequência de contaminação das praias (<5% dos dias do ano). Mesmo assim, há deficiência em saneamento, e adequação do lixo, nas praias de Ponta Negra, Praia dos Artistas e Redinha (todas localizadas em Natal) o que garantiria maior segurança a saúde dos banhistas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1177742 - RONALDO ANGELINI
Interna - 3919045 - JULIANA DELGADO TINOCO
Externo à Instituição - JEAN LEITE TAVARES - IFRN
Notícia cadastrada em: 14/03/2019 17:17
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao