Banca de QUALIFICAÇÃO: CELSO LUIS EVANGELISTA DE OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CELSO LUIS EVANGELISTA DE OLIVEIRA
DATA: 03/08/2012
HORA: 09:30
LOCAL: Laboratório de Engenharia de Materiais
TÍTULO:

OBTENÇÃO DE REVESTIMENTO CERÂMICO A PARTIR DOS RESÍDUOS DO CAULIM, DA ESMERALDA, CHAMOTE DE TELHA E CINZA VEGETAL


PALAVRAS-CHAVES:

Revestimento cerâmico. Resíduos. Formulações. Propriedades tecnológicas. Temperatura de queima.


PÁGINAS: 114
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Mecânica
RESUMO:

O modo de vida, consumo, descarte e desenvolvimento das sociedades atuais tem favorecido, de forma acentuada, a falta de sustentabilidade no planeta. O advento da microeletrônica, informática, automação industrial e o desenvolvimento de novos materiais tem aumentado a oferta de novos produtos com ciclo de vida útil cada vez menor, acarretando, após sua utilização, o descarte e a geração de grandes volumes de resíduos sólidos urbanos e industriais, que têm composição cada vez mais complexa, dificultando a ação de reciclagem natural dos ciclos biogeoquímicos da terra, com graves reflexos ao meio ambiente. A exploração e o beneficiamento mineral, assim como a atividade cerâmica interferem diretamente na natureza, pois causam alterações nas características naturais do meio ambiente, modificando o relevo, a composição do solo, a qualidade do ar e da água, ocasionando despovoamento das regiões afetadas da fauna e da flora e comprometimento da qualidade de vida das populações que habitam seu entorno. A extração e o beneficiamento do caulim e da esmeralda geram montanhas de resíduos industriais, que são descartados nas proximidades das jazidas sem nenhuma preocupação ambiental. Da mesma forma que as atividades da extração e beneficiamento do caulim e da esmeralda, a produção de cerâmica vermelha pelas olarias é desenvolvida sem nenhuma preocupação com a saúde do trabalhador e do meio ambiente. O emprego de lenha sem certificação ambiental é prática cotidiana na atividade das olarias, contribuindo para a desertificação do semiárido e das regiões de caatinga, já que grande parte da lenha empregada na fabricação dos produtos cerâmicos é oriunda deste bioma. A cinza gerada após a queima da lenha é normalmente lançada nas proximidades das olarias, causando contaminação do solo, do ar e da água e problemas respiratórios à população circunvizinha. O baixo grau de tecnologia empregado na produção de tijolos, telhas e blocos cerâmicos, proporciona grande volume de descarte de produtos queimados, com perdas econômicas significativas para os empresários. Com o objetivo de minimizar os efeitos nocivos ao meio ambiente, agregar valor comercial e tecnológico a materiais descartados pelas indústrias da mineração do caulim, da esmeralda e pelas olarias foram desenvolvidos produtos cerâmicos para revestimento a partir de quatro formulações constituídas pelos resíduos do beneficiamento do caulim e da esmeralda, chamote de telha e cinza vegeta, sendo adicionado uma pequena quantidade de argila ilítica para proporcionar plasticidade às massas. As matérias-primas foram caracterizadas por FRX, DRX, TMA, TGA, DrTGA, ATD, AG e plasticidade. As formulações foram desenvolvidas levando-se em consideração a composição química de cada matéria-prima e concentrações adequadas de argilominerais, quartzo e fundentes. Para cada formulação, foram confeccionados 48 (quarenta e oito) corpos de prova com umidade de 8% e massa individual de 13 g. Após a prensagem uniaxial com 45 MPa, os corpos de prova foram secos em estufa elétrica a 110 °C por 24 h e sinterizados nas temperaturas de 1000, 1025, 1050, 1100, 1125 e 1150 °C com taxa de aquecimento de 5 °C/min, obedecendo a um ciclo térmico projetado. Os corpos de prova sinterizados foram submetidos a ensaios tecnológicos de RLQ, AA, PA, MEA e TRF, sendo analisada sua microestrutura por MEV. Segundo a norma NBR 13818:1997 (Placas cerâmicas para revestimento – Especificação e métodos de ensaio) e a partir dos resultados das propriedades tecnológicas todas as formulações estudadas produziram produtos destinados a revestimento cerâmico para piso e parede. Dependendo da formulação e da temperatura de queima, os produtos desenvolvidos são do tipo porcelanato, grês, semi-grês, semi-poroso e poroso.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1350249 - RUBENS MARIBONDO DO NASCIMENTO
Interno - 1300987 - CARLOS ALBERTO PASKOCIMAS
Externo ao Programa - 347548 - JOSE EDUARDO VILAR CUNHA
Externo à Instituição - GILSON GARCIA DA SILVA - IFRN
Notícia cadastrada em: 02/08/2012 20:12
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao