Banca de DEFESA: LUCIENE MENDES RIBEIRO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUCIENE MENDES RIBEIRO
DATA: 11/08/2011
HORA: 17:00
LOCAL: Sala 94 do Centro de Tecnologia - CT/UFRN
TÍTULO:

ESTUDO DA FLAMABILIDADE E RESISTÊNCIA À CHAMA DE COMPÓSITO DE POLIÉSTER INSATURADO E FIBRA DA FOLHA DE ABACAXIZEIRO (PALF)


PALAVRAS-CHAVES:

Compósitos; Poliester insaturado; Retardante de chama; Fibra da folha do abacaxizeiro (PALF); Flamabilidade.


PÁGINAS: 78
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Mecânica
RESUMO:

Na presente pesquisa foram desenvolvidos compósitos com fibras da folha do abacaxizeiro (PALF - Pineapple Leaf Fiber), utilizando resina de poliéster insaturado como matriz, incorporando retardante de chama em diferentes composições. As fibras da folha do abacaxizeiro foram obtidas na ramada 4 do município de Ielmo Marinho no Estado do Rio Grande do Norte. A resina de poliéster insaturado e o catalisador foram comprados no comércio. O retardante de chama de alumina trihidratada (hidróxido de alumínio - Al(OH)3) foi doado pela empresa Alcoa Alumínio S.A. e foi utilizado em proporções de 20%, 40% e 60% do peso do material utilizado na fabricação dos compósitos. As PALFs foram tratadas com 2% de hidróxido de sódio, por 1 hora, para eliminar as impurezas superficiais tais como ceras, gorduras, pectinas e pectatos, para que houvesse uma melhor adesão da matriz às fibras, bem como do retardante de chama. As mantas de fibras foram preparadas num preparador de manta por imersão, desenvolvido no Laboratório de Engenharia Têxtil da UFRN (em processo de patente). Os compósitos (30x30x0,3 cm) foram moldados por compressão e as amostras (150x25x3 mm) para análise das propriedades foram cortadas, em diferentes posições da placa do compósito com auxílio de uma máquina de laser. As propriedades mecânicas de tração e flexão de três pontos foram realizadas no CTGás – RN e no Laboratório de Metais e Ensaios Mecânicos de Engenharia de Materiais da UFRN. Os testes da emissão de fumaça e resistência ao fogo foram realizados no Laboratório de Engenharia Têxtil da UFRN, utilizando a norma UL94. As amostras resultantes das propriedades mecânicas foram avaliadas no MEV do Núcleo de Estudos em Petróleo e Gás Natural da UFRN. Com base nas análises dos resultados nos ensaios mecânicos, observou-se que o retardante de chama não tem influência significativa. Também observou-se que no ensaio de abosorção de água, quanto maior a concentração de retardante de chama, a quantidade de água absorvida é menor. No teste de inflamabilidade, observou-se que quanto maior a concentração de retardante de chama, maior o tempo de queima. Pode ser concluído que a presença de retardante de chama, além de atuar como inibidor de chama, também atua como uma carga que influência a compactação do compósito e desta forma reduz a taxa de queima.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 346998 - RASIAH LADCHUMANANANDASIVAM
Externo ao Programa - 1345675 - CLOVIS DE MEDEIROS BEZERRA
Externo ao Programa - 350248 - MARIA GORETE FELIPE
Externo à Instituição - ROBERTO SILVA DE SOUZA - IFRN
Notícia cadastrada em: 08/08/2011 17:34
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao