Banca de DEFESA: MARIA THEREZA DOS SANTOS SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIA THEREZA DOS SANTOS SILVA
DATA : 20/02/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 04 da Escola de Ciências e Tecnologia - ETC/UFRN
TÍTULO:

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO BIODIESEL E BLENDAS SOBRE O COMPORTAMENTO TRIBOLÓGICO DO LUBRIFICANTE MINERAL 15W40


PALAVRAS-CHAVES:

Biodiesel; Lubrificantes; Contaminação; Lubricidade.


PÁGINAS: 80
RESUMO:

A utilização do biodiesel como combustível está crescendo no mundo, havendo à necessidade de estudar melhor os efeitos causados por este novo combustível a motores de combustão interna. Neste contexto, encontra-se a necessidade de estudar a contaminação do óleo lubrificante por este combustível, analisando seus efeitos nas propriedades do lubrificante. Assim, este trabalho objetivou estudar a contaminação de um óleo mineral comercial 15W40 com biodiesel e sua blendas com diesel (B10 e B20) e seus impactos nas propriedades físico-químicas e tribológica do óleo lubrificante. Baseado em estudos, foi determinado que para cada contaminante fosse usado em porcentagens de contaminação de 1% e 2%. Várias análises físico-químicas foram realizadas para averiguar o comportamento do óleo lubrificante contaminado, comparando-os as especificações exigidas pelos órgãos de qualidade. Também houve aplicação de algumas técnicas (DSC, índice de acidez e FTIR) para investigar o comportamento destes quando envelhecidos. Atuação tribológica destes lubrificantes contaminados foi avaliada por meio de ensaios no tribômetro HFRR, empregando o aço AISI 52100, resultando dados como: percentual de formação de filme, coeficiente de atrito e diâmetro da escara. Também foi feita uma análise superficial dos contra corpos, a fim de compreender a dimensão do desgaste sofrido por este tipo de contaminação. Os resultados mostraram os lubrificantes contaminados quando estão no início não apresentam grandes riscos as suas propriedades, mas quando envelhecidos aumentam o número de ésteres saturados consequentemente diminuem a estabilidade oxidativa e aumentam a acidez.  Ao avaliar os ensaios de lubricidade foi perceptível que o biodiesel solubilizou com o lubrificante, mas o comportamento dos lubrificantes contaminados envelhecidos causou instabilidade ao lubrificante, provocando o surgimento de óxidos ao longo do par tribológico. Contudo, a presença do biodiesel como contaminante por muito tempo, em condições naturais e sem contato por muito tempo com metal, não exerce influência significativa no comportamento do lubrificante.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1481705 - SALETE MARTINS ALVES
Externo ao Programa - 1523912 - TATIANA DE CAMPOS BICUDO
Externo à Instituição - VALDICLEIDE SILVA E MELLO - NENHUMA
Notícia cadastrada em: 08/02/2018 15:31
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao