Banca de DEFESA: ALVARO CESAR PONTES GALVAO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ALVARO CESAR PONTES GALVAO
DATA : 18/01/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Laboratório de Mecânica dos Fluidos - NTI/UFRN
TÍTULO:

ESTUDO DOS COMPÓSITOS DE PURM COM REJEITOS DO PORCELANATO E DA SCHEELITA PARA APLICAÇÕES EM ISOLANTES TÉRMICOS


PALAVRAS-CHAVES:

Rejeito de Scheelita; Rejeito de Porcelanato; PURM; Isolação Térmica.


PÁGINAS: 96
RESUMO:

Uma grande contribuição para o uso eficiente da energia e consequente redução de custos é isolar os sistemas térmicos. A espuma rígida de poliuretano, muito usada para isolação térmica, é um produto relativamente caro no mercado; assim, a utilização de uma espuma de poliuretano de fonte renovável, como é o caso da espuma oriunda do óleo de mamona e adição de cargas em sua matriz, representaria uma economia satisfatória. Frente aos problemas econômicos, ambientais e de riscos à saúde, a espuma de origem vegetal poderia ser usada com adição de cargas de rejeitos tão abundantes no Nordeste, como é o caso dos rejeitos dos finos da scheelita e do polimento de porcelanato. Sendo assim, verifica-se a necessidade de estudos relativos ao desempenho termofísico/mecânico de compósitos desta espuma com rejeitos de scheelita e de porcelanato para fins de isolação térmica. Esta pesquisa objetiva oferecer compósitos de poliuretano de mamona (PURM) com cargas de rejeitos de porcelanato (PRP) e scheelita (PRS) que possam ser utilizados como isolantes térmicos alternativos, visando à redução de custos e consumo de matéria-prima e, principalmente, além de contribuir com o desenvolvimento sustentável dessas indústrias. No estudo utilizou-se micropartículas PRS (obtidas na Mina Brejuí/RN) e PRP (da Cerâmica Elizabeth Porcelanatos S.A./PB) para o desenvolvimento e caracterização de compósitos de PURM. Estes compósitos foram caracterizados termofisicamente a partir de ensaios de condutividade térmica, calor específico, difusividade térmica e termogravimetria. Propriedades como massa específica, resistência à compressão e dureza também foram analisadas nos compósitos PURM+PRS e PURM+ PRP. As estruturas celulares destes compósitos de PURM foram analisadas por técnicas de MEV (Microscopia Eletrônica de Varredura) com microanálise química (EDS). Através da avaliação das caracterizações termofísicas obtidas dos compósitos de PURM com PRS e de PURM com PRP, verificou-se que os melhores compósitos com propriedades isolantes foram os PURM+5PRP125 e PURM+5PRP300-600 por possuírem menor condutividade térmica. O mesmo ocorreu para os compósitos de PURM com 5% de carga de PRS, também para ambos os tamanhos de partículas (125 µm e entre 300 a 600 µm). Mesmo assim, comparando a eficiência de isolação térmica baseada nos menores valores de condutividade térmica e maior calor específico, tem-se o compósito PURM+5PRS125 como o que apresentou maior eficiência dentre os demais.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALINE CRISTINA MENDES DE FARIAS - F.M.Nassau
Externo ao Programa - 348080 - JOSE UBIRAGI DE LIMA MENDES
Externo à Instituição - LEONARDO COUTINHO DE MEDEIROS - IFRN
Externo à Instituição - MANOEL FERNANDES DE OLIVEIRA FILHO - IFRN
Externo à Instituição - NATANAEYFLE RANDEMBERG GOMES DOS SANTOS - NENHUMA
Notícia cadastrada em: 27/12/2017 15:19
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa20-producao.info.ufrn.br.sigaa20-producao