Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIA THEREZA DOS SANTOS SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIA THEREZA DOS SANTOS SILVA
DATA : 08/08/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 04 da Escola de Ciências e Tecnologia - ECT/UFRN
TÍTULO:

ANÁLISE TRIBOLÓGICA DE LUBRIFICANTES AUTOMOTIVOS CONTAMINADOS POR BIODIESEL


PALAVRAS-CHAVES:

Biodiesel, Lubrificantes, Contaminação, Oxidação.


PÁGINAS: 80
RESUMO:

O uso de novas fontes de energia como o biodiesel vem ganhado espaço, por ser considerada fonte de energia limpa, e tem substituindo o Diesel por apresentar características semelhantes. No Brasil o seu uso é obrigatório sendo adicionado o percentual de 8% (B8), em volume, de biodiesel ao óleo diesel, assim sua utilização nos motores de combustão interna precisa passar por adaptações que estão sendo estudadas. No entanto, no funcionamento destes motores, pode ocorrer vazamento nos anéis durante a combustão, então os combustíveis entram em contato com o lubrificante deixando-o contaminando. Quando ocorrer a contaminação pode ocasionar degradação oxidativa do lubrificante induzindo o desgaste e outras consequências no motor. Assim, o objetivo do presente trabalho consiste em avaliar o efeito da oxidação provocada pela contaminação do lubrificante comercial com diferentes percentuais de biodiesel no desempenho tribológico destes lubrificantes. O estudo se deu com o uso do óleo lubrificante comercial 15W40, que foi contaminado em três diferentes misturas de biodiesel em diesel como contaminante, B10, B20 e B100, de cada contaminante foram usados à porcentagem de contaminação de 1% e 2%. No entanto, várias análises foram realizadas para averiguar o comportamento destes biodieseis e principalmente das amostras de lubrificantes contaminados, estas técnicas foram de grande relevância para estudar a estabilidade oxidativa detectando a oxidação nas amostras. Avaliar-se-á a lubricidade por meio de ensaios tribológicos no HFRR dos lubrificantes contaminados, empregando o aço AISI 52100, logo compreender a dimensão do desgaste sofrido por este tipo de contaminação. Os resultados obtidos das análises físico-químicas do óleo de soja, do biodiesel de soja metílico, do diesel e das demais misturas estão de acordo com as normas da ANP, permitindo o processo de contaminação dos lubrificantes. Através dos parâmetros como o índice de acidez, o FT-IR e o DSC, foram avaliados a estabilidade oxidativa dos lubrificantes contaminados, permitindo verificar ao longo de seis meses a presença de oxidação. Contudo, os lubrificantes contaminados com biodiesel em pequenas quantidades e expostos a condições de ambiente natural apresentam pequenos indícios de degradação oxidativa, resultando numa menor vida útil dos mesmos.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALINE CRISTINA MENDES DE FARIAS - F.M.Nassau
Presidente - 1481705 - SALETE MARTINS ALVES
Externo ao Programa - 1523912 - TATIANA DE CAMPOS BICUDO
Notícia cadastrada em: 27/07/2017 20:42
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao