Banca de QUALIFICAÇÃO: CLAUDIO MARIO NASCIMENTO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CLAUDIO MARIO NASCIMENTO
DATA : 03/05/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Laboratório de Mecânica dos Fluidos - NTI/UFRN
TÍTULO:

COMPÓSITO DE GESSO REFORÇADO COM FIBRA DE COCO E CORTIÇA TRITURADA


PALAVRAS-CHAVES:

Sustentabilidade, construção civil, fibra de coco, cortiça e compósito.


PÁGINAS: 138
RESUMO:

A presente pesquisa deverá contribuir para a sustentabilidade socio ambiental com o uso de materiais de origem mineral e vegetal, favorecendo a criação de compósitos para uma possível substituição de produtos sintéticos poliméricos não recicláveis ou de longa degradação.  Para esse fim criou –se o CGFCC – Compósito de Gesso reforçado com Fibra de Coco e Cortiça triturada -  compósito inovador destinado a  área de construção civil para fabricação de: tijolos, revestimento de paredes e placas de forro. No processo metodológico foi realizada a manufatura dos materiais de carga (reforço), fibra de coco, e cortiça triturara para fabricação dos corpos de prova com matriz de gesso; de acordo as normas técnicas da ABNT e ASTM. Os materiais foram caracterizados em laboratórios de FRX, DRX, TGA e MEV, passaram por ensaios nos laboratórios da UFRN – Universidade Federal do Rio Grande do Norte e do IFBA – Instituto Federal da Bahia, para avaliar sua composição química, propriedades físicas e térmicas. Desta forma, constatamos a partir dos resultados que suas condições propiciam a formulação do compósito CGFCC, sendo fabricado em nove formulações proporcionais de 10%, 20% e 30% de reforço. Com os corpos de prova cilíndrico do compósito CGFCC, buscou-se conhecer índices de resistência mecânica, isolamento térmico e acústico. Os resultados apresentados em gráficos e tabelas mostraram que o compósito oferece vantagens expressivas comparadas as demais existentes no mercado com a mesma origem e função, usadas na construção civil. O gesso beta calcinado di-hidrato (CaSO4.2H2O) da gipsita, a fibra de coco madura (fibra dura)  e  a cortiça triturada, tem  capacidade de suportar  até 200ºC de temperatura, demonstrando ser um ótimo isolante térmico acústico, com boa resistência mecânica, podendo ser usado como elemento construtivo. Através da pesquisa percebe-se que na composição das fibras vegetais há uma combinação de propriedades originarias de solos com nutrientes básicos favoráveis a estrutura celular e a histologia vegetal; logo, a morfologia dos materiais também favorece na fabricação dos compósitos. A contribuição social com essa pesquisa se notabiliza pelo impacto ambiental com a reciclagem que será realizada, pois, serão retiradas toneladas de coco descartadas diariamente nos lixões rurais e urbanos, além das cortiças dos bares e restaurantes; consequentemente, isso deve promover abertura de mão de obra, e, por conseguinte um compósito de baixo custo.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALINE CRISTINA MENDES DE FARIAS - F.M.Nassau
Presidente - 348080 - JOSE UBIRAGI DE LIMA MENDES
Interno - 5220696 - LUIZ CLAUDIO FERREIRA DA SILVA
Externo à Instituição - MANOEL FERNANDES DE OLIVEIRA FILHO - IFRN
Externo à Instituição - NATANAEYFLE RANDEMBERG GOMES DOS SANTOS - NENHUMA
Notícia cadastrada em: 20/04/2017 10:52
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao