Banca de DEFESA: YAGO TAVARES PINHEIRO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : YAGO TAVARES PINHEIRO
DATA : 31/05/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório Hugo Tavares Dutra - bloco II da FACISA
TÍTULO:

EFEITO DO KINESIO TAPING NA DOR, EDEMA, FORÇA MUSCULAR, FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO GLOBAL DE MUDANÇA EM MULHERES IDOSAS COM OSTEOARTRITE DE JOELHO: ENSAIO CLÍNICO CONTROLADO, RANDOMIZADO CEGO


PALAVRAS-CHAVES:

Osteoartrite. Joelho. Dor. Força muscular. Edema. Kinesiotape


PÁGINAS: 57
RESUMO:

INTRODUÇÃO: A osteoartrite (OA) é uma das doenças mais comuns na população idosa e o joelho é uma das articulações mais afetadas, representando uma causa potencial de incapacidade e redução da qualidade de vida. Nessa perspectiva, o kinesio taping (KT) surge como uma alternativa terapêutica barata e prática para o tratamento desses indivíduos. Entretanto, as evidências atuais sobre esta técnica são limitadas e conflitantes, o que faz com que seus efeitos sobre a sintomatologia da doença ainda sejam incertos. OBJETIVO: Analisar os efeitos da aplicação do KT na dor, força muscular, edema, função física e percepção global de mudança de idosas com OA de joelho (OAJ). MATERIAIS E MÉTODOS: Neste ensaio clínico, randomizado e cego, 45 idosas foram alocadas em três grupos: G1 (grupo placebo), que recebeu a aplicação do KT sem tensão sobre o reto femoral e joelho; G2 (grupo controle), submetido a uma aula sobre OAJ; e G3 (grupo intervenção) no qual foi aplicado simultaneamente duas técnicas do KT com 30% e 10% de tensão, respectivamente, sobre o reto femoral e o joelho. A dor foi avaliada pela Escala Visual Analógica (EVA), a força muscular de quadríceps pela dinamometria portátil, a função física pelo questionário Western Ontario and McMaster Universities Osteoarthritis Index (WOMAC) e o Teste de Caminhada de 6 minutos (TC6). Ainda, o edema foi mensurado pela perimetria do joelho e a percepção global de mudança pela Patient Global Impression of Change. Todas as voluntárias foram avaliadas antes, imediatamente após e 72 horas depois da intervenção. Os testes Kolmogorov-Smirnov e Levene foram aplicados para avaliação da normalidade e homogeneidade dos dados, respectivamente. As comparações intra e intergrupos foram avaliadas usando análises de variância ANOVA de modelo misto. Na presença de um F significativo, o teste pot-hoc de Benferroni foi utilizado para identificar onde ocorreu a diferença. Para todas as análises estatísticas foi adotado um nível de significância de 5% (p<0.05) e intervalo de confiança de 95% (IC 95%). A análise estatística foi feita com auxílio do software SPSS® (Statistical Package Social Science) versão 20.0. RESULTADOS: A análise intra grupo mostrou uma melhora da dor em favor do grupo placebo e intervenção, além do aumento da força de quadríceps no grupo placebo. A função física melhorou em todos os grupos avaliados. Em contrapartida, não foram observadas melhoras com relação ao edema em nenhum dos grupos. Já na análise inter grupos, não foram observadas diferenças significativas para nenhuma das variáveis analisadas em nenhum dos grupos. Por fim, as voluntárias alocadas no grupo intervenção e placebo relataram ter experimentado alguma mudança benéfica com o tratamento. CONCLUSÃO: O KT não é capaz de melhorar a dor, força muscular de quadríceps, edema e função física de idosas com OA de joelho.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2275864 - CAIO ALANO DE ALMEIDA LINS
Externo ao Programa - 1149610 - JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
Externo à Instituição - FRANCISCO LOCKS NETO - UPE
Notícia cadastrada em: 15/03/2019 09:06
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa11-producao.info.ufrn.br.sigaa11-producao