Banca de QUALIFICAÇÃO: ADRIANO LOURENÇO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ADRIANO LOURENÇO
DATA : 12/12/2018
HORA: 10:30
LOCAL: FACISA
TÍTULO:

OS PROBLEMAS DE SONO ESTÃO ASSOCIADOS A FUNCIONALIDADE, CAPACIDADE FUNCIONAL E FADIGA EM SOBREVIVENTES AO CÂNCER DE MAMA?


PALAVRAS-CHAVES:

Câncer. Sobreviventes. Distúrbios do sono. Funcionalidade.  Qualidade de vida


PÁGINAS: 45
RESUMO:

Introdução: O câncer de mama (CM) é o mais diagnosticado entre as mulheres, com grandes chances de cura, devido ao diagnosticado precoce e tratamentos menos agressivos e efetivos, que pode provocar efeitos adversos. Dentre estes, destacam-se a diminuição da funcionalidade, fadiga, baixa capacidade aeróbica, distúrbios do sono. Nessa perspectiva, os distúrbios do sono podem causar efeitos negativos na vida de mulheres sobreviventes ao CM. As evidências atuais sobre os efeitos do distúrbio do sono são limitadas, principalmente após o tratamento e ao longo da sobrevida livre da doença. Objetivo: Avaliar a prevalência de distúrbios do sono e sua associação com a capacidade funcional, fadiga, funcionalidade e qualidade de vida das mulheres sobreviventes ao CM e fora do tratamento clínico da doença. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal, desenvolvido junto a 32 mulheres sobreviventes ao CM, com pelo menos um ano após o tratamento clínico. Os instrumentos de coleta de dados foram constituídos de informações gerais e clinicas da doença e os questionários World Health Organization Disability Assessment Schedule 2.0 (WHODAS 2.0); Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (PSQI); Functional Assessment of Cancer Therapy-Fatigue (FACT-F); Disabilities of the arm and Shoulder (DASH); International Physical Activity Questionnaire (IPAQ, versão curta), além do teste de caminhada de seis minutos (TC6). A análise estatística foi realizada com o SPSS 20.0. A normalidade na distribuição dos dados foi realizada pelo teste Shapiro-Wilk, e em seguida foi aplicado o teste de correlação de Spearman e os testes t Student e U de Mann Whitney. Para verificar o efeito clinico foi utilizado o d de Cohen e por último foi utilizado o teste de regressão linear bivariada. A significância adotada foi de p<0,05. Resultados: Dentre os principais achados cabe destacar que mais de 70% das mulheres sobreviventes ao câncer, mesmo após o término do tratamento clínico, apresentam distúrbios do sono. Essa precariedade está correlacionada com a qualidade subjetiva do sono (rs = 0,769), os distúrbios do sono (rs = 0,624), a latência do sono (rs = 0,625), a duração do sono (rs = 0,581) e os distúrbios do sono durante o dia (rs = 0,654). Foi observado diferença significativa na qualidade do sono com piores escores totais para as escalas FACT-F, DASH e WHODAS 2.0 (p<0,05). O sono precário foi preditor de piores escores para fadiga, qualidade de vida, desempenho funcional dos membros superiores e funcionalidade (p<0,05). Conclusão: Os achados demonstram que sono precário é preditor de piores escores para fadiga, qualidade de vida, desempenho funcional dos membros superiores e funcionalidade, comprovando os impactos negativos da precarização do sono dessas mulheres e denotando a relevância e urgência de inclusão de aspectos relacionados ao sono nas avaliações clínicas e condutas terapêuticas direcionadas às mulheres sobreviventes ao câncer de mama.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3887470 - DIEGO DE SOUSA DANTAS
Interno - 1892581 - GRASIELA NASCIMENTO CORREIA
Externo à Instituição - NADJA VANESSA DE ALMEIDA FERRAIZ
Notícia cadastrada em: 03/12/2018 08:34
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao