Banca de DEFESA: POLLYANNE EVANGELISTA DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: POLLYANNE EVANGELISTA DA SILVA
DATA: 30/07/2014
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório do CCET
TÍTULO:

ÍNDICES EPIDEMIOLÓGICOS DE VULNERABILIDADE À SECA DAS MICRORREGIÕES DO RIO GRANDE DO NORTE, 2000 e 2010.


PALAVRAS-CHAVES:

Morbidade, mortalidade, componente principal, susceptível.


PÁGINAS: 95
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Demografia
RESUMO:

Os impactos das mudanças climáticas no Brasil tendem a ser mais graves na região Nordeste, mais atingida pelos impactos da seca e com perspectivas de presenciar cenários ainda piores ocasionados pelo aumento da temperatura, pela diminuição das chuvas na região e com a ação antropogênica. Um dos principais efeitos da seca reflete-se sobre o estado de saúde da população, principalmente das populações mais pobres e frágeis, as crianças e os idosos. O objetivo deste estudo é construir um indicador epidemiológico de vulnerabilidade à seca, como também propor uma nova metodologia de cálculo do indicador levando-se em consideração os aspectos socioepidemiológicos e hospitalares. Outro objetivo consistiu em é mapear e classificar as microrregiões do Rio Grande do Norte (RN) segundo as características do risco, susceptibilidade e capacidade adaptativa utilizando análise de agrupamento, com base nas estimativas dos indicadores epidemiológicos de vulnerabilidade à seca. Para criação do indicador, utilizaram-se variáveis climáticas, sociais, demográficas, hospitalares e a morbi-mortalidade das microrregiões e a metodologia da análise de componentes principais (ACP) para a atribuição de pesos aos componentes da vulnerabilidade: risco, susceptibilidade e capacidade adaptativa. Para a análise, compreensão e identificação das áreas vulneráveis, utilizaram-se as metodologias estatísticas, tais como: análise de agrupamento, teste t pareado e espaço-temporal. Os resultados mostraram que microrregiões como Pau dos Ferros, Umarizal e Seridó Oriental e Ocidental foram as que apresentaram maiores IEVS e também as que apresentaram maior risco à seca, ou seja, menores índices de precipitação. Em contrapartida, Natal apresentou o menor risco à seca (0,00) e a melhor capacidade adaptativa (0,96), no entanto, atenção deve ser dada ao aumento significativo das taxas de mortalidade por doenças do aparelho respiratório e do coração. Este estudo possibilitou identificar as microrregiões do estado do RN mais vulneráveis à seca com prioridade de elaboração de ações públicas que mitiguem os impactos na saúde pública.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1752417 - CLAUDIO MOISES SANTOS E SILVA
Externo à Instituição - JOSEMIR ARAÚJO NEVES - EMPARN
Externo à Instituição - KENYA VALERIA MICAELA DE SOUZA NORONHA - UFMG
Interno - 1346630 - LARA DE MELO BARBOSA ANDRADE
Presidente - 350691 - MARIA HELENA CONSTANTINO SPYRIDES
Interno - 320597 - PAULO SERGIO LUCIO
Notícia cadastrada em: 26/06/2014 11:20
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa28-producao.info.ufrn.br.sigaa28-producao