Seminários em Neurociências 2011.2

Quinta-feira       15/09/2011        15:00h        Sala de Reuniões
Depto de Fisiologia – Centro de Biociências
 
Mecanismos neurais da percepção do tempo (*)
Marcelo Bussotti Reyes (Centro de Matemática, Computação e Cognição, Universidade Federal do ABC - UFABC)
Existem três principais escalas de percepção temporal que frequentemente são atribuídas a diferentes estruturas cerebrais. No extremo inferior está a escala de milissegundos, associada ao cerebelo, que é essencial para a fala e coordenação motora. No extremo superior está a escala circadiana que está ligada ao núcleo suprachiasmático. A escala intermediária é chamada de intervalos de tempo (interval timing) envolve diversas áreas encefálicas, como os gânglios da base e o córtex prefrontal, o que sugere que a representação de intervalos de tempo possui um código distribuído. Além disto, a percepção de tais intervalos é fortemente modulada por aspectos cognitivos como atenção e memória. Tal relação aliada ao fato de que não temos órgãos sensoriais especializados para a percepção de tempo torna estes fenômenos particularmente interessantes do ponto de vista cognitivo. Abordaremos diversos estudos da literatura sobre a como são estudadas as bases neurais da percepção do tempo, bem como os desafios de encontrar o código neural para a informação temporal.
 
Local: Sala de Reuniões do Departamento de Fisiologia – Centro de Biociências / UFRN
Campus Universitário Lagoa Nova, 59078-970 - Natal - RN
Tel: +55 (84) 9193 – 6311 (Instituto do Cérebro)
(*) Excepcionalmente quinta-feira. Em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Psicobiologia, Departamento de Fisiologia, Centro de Biociências (http://www.cb.ufrn.br/)
 

Notícia cadastrada em: 12/09/2011 09:46
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao