Banca de QUALIFICAÇÃO: DIEGO SILVEIRA SOUSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DIEGO SILVEIRA SOUSA
DATA : 28/06/2019
HORA: 14:00
LOCAL: INSTITUTO DO CÉREBRO
TÍTULO:

Correlatos comportamentais e fisiológicos de ansiosos sociais: Efeitos da Terapia Cognitivo-Comportamental em Grupo e resposta ao TSST


PALAVRAS-CHAVES:

Transtorno de ansiedade social, terapia cognitivo-comportamental em grupo, TSST, cortisol, sexo


PÁGINAS: 60
RESUMO:

Os transtornos de ansiedade tem alta prevalência na população mundial, sendo o transtorno de ansiedade social (TAS) um dos mais incidentes entre os diferentes tipos clínicos. A ansiedade social é caracterizada pelo medo, fuga ou intensa ansiedade em situações sociais e geralmente está associada a pensamentos de embaraço ao olhar e julgamento dos outros. O DSM-5 traz  uma novidade em relação ao DSM IV, acrescentando o especificador ao TAS “Restrito ao desempenho” para o medo/ansiedade social associado apenas às situações de falar em público, geralmente afetando o âmbito profissional, em contextos acadêmicos, escolares e laborais. Embora existam muitos estudos sobre as bases neurobiológicas da ansiedade social, o DSM-5 ainda se baseia exclusivamente em sinais e sintomas advindos de relato verbal e observação do paciente, de seus familiares ou de ambos. Desse modo, o presente estudo se propôs a avaliar diferenças psicométricas e fisiológicas entre indivíduos com diganóstico de TAS associado ao especificador restrito ao desempenho  --  considerados pertencentes ao grupo de Transtorno de Ansiedade Social Específico (TASE) -- e aqueles portadores do quadro principal geral, que passaram a ser considerados no grupo de Transtorno de Ansiedade Social Generalizado (TASG).  Na amostra inicial (n=77) foi  estudado  o efeito da terapia cognitivo-comportamental em grupo (TCCG) e, em parte da amostra, (ii) a resposta ao estresse durante o desempenho no teste de estresse social (Trial Social Stress Test – TSST) (n=21),  subsequente a TCCG, onde além das medidas psicométricas foi adicionanda a dosagem do cortisol, parâmetro fisiológico relacionado ao eixo hipotálamo-pituitária-adrenal. Os resultados indicaram que o delineamento de 14 semanas de TCCG não evidenciou  diferenças que caracterizassem os dois tipos de transtornos individualmente.  A presença de elevação do cortisol e amplificação da resposta estressora ao longo do TSST mostrou que o sexo masculino é mais reativo ao teste mas, considerando o pequeno tamanho da amostra (n=21), não foram encontradas diferenças psicométricas entre os dois grupos  para fazer diferenciação entre TASG (n=18) e TASE (n=3). Sugere-se, portanto, uma análise envolvendo outras variáveis como expressão oral e marcadores do sistema nervoso autônomo, associados a um maior tamanho da amostra para investigar de modo mais aprofundado se surgem diferenças entre estas duas situações clínicas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1323908 - JOAO CARLOS ALCHIERI
Presidente - 6346130 - MARIA BERNARDETE CORDEIRO DE SOUSA
Interno - 1996111 - MARTIN PABLO CAMMAROTA

Notícia cadastrada em: 20/06/2019 11:21
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao