Banca de QUALIFICAÇÃO: LUÃ CARLOS DE SOUZA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LUÃ CARLOS DE SOUZA
DATA : 06/03/2017
HORA: 13:00
LOCAL: INSTITUTO DO CÉREBRO
TÍTULO:

Processamento de frequências espaciais, através do corpo caloso, durante a estimulação monocular e binocular


PALAVRAS-CHAVES:

Córtex visual primário, frequência espacial, conexões visuais inter-hemisféricas, estimulação monocular, estimulação binocular. 


PÁGINAS: 100
RESUMO:

Neurônios no córtex visual primário de gatos (área 17 e área 18) são bastante seletivos para certas características de um estímulo. Contraste, contornos de uma mesma orientação e direção de movimento são algumas dessas características.  Porém, além disso, o tipo de frequência especial (FE) também é um parâmetro de seletividade. Diferenças na preferência de FEs nas áreas 17 e 18 são pensadas para emergirem de uma distribuição distinta de aferentes X e Y. A zona de transição (ZT), entre as duas áreas, tem preferência por FEs intermediárias, além das aferências geniculo-corticais, essa região também recebe densas conexões visuais através do corpo caloso. Sabemos que as conexões inter-hemisféricas são mais frequentes entre os neurônios visuais com preferência de orientação análoga e com preferência de direção similar, no entanto, dados referentes a esse tipo de influência para estímulos apresentados em diferentes FEs, ainda são escassos. O objetivo do presente trabalho é investigar a contribuição funcional das conexões visuais inter-hemisféricas nas respostas evocadas por diferentes FEs na ZT. Através da estimulação monocular e binocular com gratings, investigamos a taxa média de disparo neuronal, em gatos anestesiados, durante a desativação reversível dessas conexões. Com isso, podemos observar que a taxa diminuiu, principalmente durante a estimulação monocular do olho ipsilateral. Nessa condição, as respostas para a FE mais baixa, de 0.15 ciclos/graus e para neurônios que preferem contornos horizontais foram mais afetadas. Em contraste, com a estimulação contralateral as respostas para a FE mais alta, de 0.6 ciclos/grau e para neurônios que preferem contornos verticais é que foram mais acometidas. Esses resultados sugerem que as fibras que conduzem informações do olho ipsilateral, através do corpo caloso, originam-se predominantemente de neurônios dominados por células Y. Já aquelas que medeiam informações do olho contralateral originam-se de neurônios que recebem aferências das células X ou de uma mistura de células X e Y através da via retino-geniculado-cortical. As diferenças entre FEs baixas e altas podem estar envolvidas num processo de interação binocular, onde as respostas do olho ipsilateral e do olho contralateral se complementam, e assim, constroem juntas, uma imagem complexa, rica em detalhes, de uma cena visual.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1871878 - KERSTIN ERIKA SCHMIDT
Interno - 1842426 - SERGIO TULIO NEUENSCHWANDER MACIEL
Interno - 1976236 - EMELIE KATARINA SVAHN LEÃO

Notícia cadastrada em: 24/02/2017 15:16
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao