Banca de DEFESA: DIDONEY FERNANDES VILHETE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DIDONEY FERNANDES VILHETE
DATA : 08/08/2017
HORA: 09:00
LOCAL: A DEFINIR
TÍTULO:

RETROANÁLISE DA RUPTURA DO TALUDE DE MONTANTE DA BARRAGEM DO AÇU NO FINAL DO PERIODO CONSTRUTIVO


PALAVRAS-CHAVES:

Análise computacional, investigação de ruptura, estabilidade de taludes, resistência ao cisalhamento, análise probabilística, simulação de Monte Carlo.


PÁGINAS: 77
RESUMO:

Os riscos associados a ruptura de barragens são elevados. Problemas de instabilidade envolvendo estas estruturas trazem consequências catastróficas a sociedade. A barragem do Açu, é uma obra geotécnica de significativa notoriedade e importância no Nordeste, principalmente no estado do Rio Grande do Norte. É a maior barragem do estado e ganhou destaque na literatura nacional e internacional com o rompimento do talude de montante no final do período construtivo. Em casos de ruptura, a retroanálise é uma técnica confiável e de baixo custo para determinação dos parâmetros de resistência ao cisalhamento dos solos de forma a contribuir para que se evite casos semelhantes. A partir da avaliação de dados de resistência disponíveis no meio acadêmico este trabalho teve como objetivo retroanalisar a ruptura ocorrida para obter os parâmetros médios de resistência ao cisalhamento do material argiloso preto que constituía o núcleo da barragem do Açu antes do acidente ocorrido. Na primeira etapa do trabalho foram realizadas análises de estabilidade do talude de montante da barragem e na segunda etapa a retroanálise determinística e probabilística. As análises foram realizadas no software Slide 7.0 pertencente a plataforma Rocscience. Os resultados foram comparados aos dados disponíveis em Mello (1982); Penman (1985) e Rocha (2003). No final da pesquisa foi possível definir os possíveis parâmetros médios de resistência ao cisalhamento da argila siltosa preta e estabelecer as causas e os mecanismos de ruptura da barragem. As análises de estabilidade mostraram que o talude romperia com os parâmetros de resistência da argila siltosa preta na condição saturada, com valores de probabilidade de ruptura variando de 60 a 97% entre os métodos de equilíbrio limite utilizados nas análises. Por fim, o valor da coesão e do ângulo de atrito no instante de ruptura obtido na retroanálise determinística para a argila siltosa preta foi cu=47,188 kPa e ϕu=0º. Na retroanálise probabilística o valor da coesão e do ângulo de atrito no instante de ruptura obtido foi cu=33,8 kPa e ϕu=3,1º, com uma probabilidade de ruptura de 52,7%. Com isso, conclui-se que a ruptura do talude de montante da barragem do Açu ocorreu por causa de erros de parâmetros de resistência do solo argiloso adotado no projeto acompanhado pela má compactação e perda de resistência do solo devido aos excessos de poropressões gerados durante a construção.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FRANCISCO CHAGAS DA SILVA FILHO - UFC
Presidente - 1149451 - OLAVO FRANCISCO DOS SANTOS JUNIOR
Interno - 1692497 - OSVALDO DE FREITAS NETO
Externo à Instituição - RAIMUNDO LEIDIMAR BEZERRA - UEPB
Notícia cadastrada em: 28/07/2017 15:48
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao