Banca de DEFESA: FRANCICELIO MENDONCA DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCICELIO MENDONCA DA SILVA
DATA: 10/04/2013
HORA: 10:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Geografia
TÍTULO:

Análise da vulnerabilidade ambiental no estuário do rio Curimataú/Cunhaú, baía formosa e Canguaretama – RN


PALAVRAS-CHAVES:

Estuário. Vulnerabilidade Ambiental. Impactos Ambientais.


PÁGINAS: 150
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Geografia
RESUMO:

O ambiente estuarino corresponde a um espaço geográfico de interface entre o continente e o oceano, onde a relação entre a sua forte instabilidade natural e a intensa ocupação não planejada tem incrementado a sua vulnerabilidade ambiental. Dessa maneira, a forma de interação dos elementos espaciais atuantes conduz a um grau de vulnerabilidade desse ambiente em relação ao seu equilíbrio dinâmico. Diante disso, vale destacar que o ambiente estuarino encontra-se em um sistema de alta complexidade socioambiental nas interações com as áreas adjacentes, o qual se constitui de diversos espaços vulneráveis, associados às diversificadas formas de uso e ocupação do solo, inter-relacionados com os impactos ambientais e criando, assim, territórios de extrema vulnerabilidade ambiental. Nesse aspecto, o objetivo da pesquisa é analisar a vulnerabilidade ambiental no estuário do rio Curimataú/Cunhaú e suas adjacências, sendo ele localizado nos municípios de Baía Formosa e Canguaretama, estado do Rio Grande do Norte, enfocando as inter-relações entre o uso e ocupação do solo, os impactos ambientais e as suas mudanças espaciais na paisagem, bem como identificando e analisando os espaços de vulnerabilidade ambiental ao considerar os condicionantes naturais e antrópicas (geologia, geomorfologia, pedologia e vegetação/cobertura e uso da terra), contribuindo, então, na elaboração do mapa de vulnerabilidade ambiental. Nesse sentido, os procedimentos metodológicos utilizados foram: o levantamento de materiais bibliográficos e cartográficos, as etapas de campo e a utilização da metodologia empregada por Crepani et al. (2001), embasada na teoria da ecodinâmica de Tricart (1977), com subsídios em Oliveira (2011), Grigio (2003) e enfocando os ambientes de estabilidade/instabilidade ambiental para constituir as categorias morfodinâmicas no meio ambiente. A partir disso, a utilização dos valores para o grau de vulnerabilidade ambiental pauta-se nos critérios de atribuição de valores ao meio físico e na cobertura e uso da terra para a criação do mapa de vulnerabilidade ambiental. Conclui-se que a aplicação do conceito de vulnerabilidade ambiental na sua operacionalização traz, através da metodologia, a definição de classes de vulnerabilidade que contribuem para a análise ambiental das intervenções antrópicas no meio ambiente, mostrando-se uma ferramenta importante para as tomadas de decisão no gerenciamento dos ambientes costeiros e estuarinos.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1692459 - ERMINIO FERNANDES
Presidente - 1503011 - LUTIANE QUEIROZ DE ALMEIDA
Externo à Instituição - MARIA ELISA ZANELLA - UFC
Notícia cadastrada em: 27/03/2013 08:49
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao