Banca de DEFESA: GERALDA JULIET TAVARES DE SOUZA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GERALDA JULIET TAVARES DE SOUZA
DATA: 31/03/2016
HORA: 10:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Geografia
TÍTULO:

DINÂMICA TERRITORIAL DA MICRORREGIÃO DA SERRA DE SANTANA A PARTIR DA INSTALAÇÃO DE PARQUES EÓLICOS


PALAVRAS-CHAVES:

Energia eólica, Uso do território, Microrregião da Serra de Santana

 


PÁGINAS: 108
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Geografia
RESUMO:

O trabalho apresentado objetiva analisar o uso do território da Microrregião da Serra de Santana a partir da implantação dos parques eólicos. Nessa perspectiva, buscou-se descrever o contexto histórico em que esta microrregião emergiu como área de produção de energia eólica, considerando aspectos relativos à escala internacional, nacional e estadual; identificar os discursos criados pelas instituições e pela sociedade local acerca da energia eólica; relacionar os elementos do espaço (meio ecológico, os homens, as firmas e as instituições) à produção de energia eólica em nível microrregional; avaliar as transformações dessa atividade no espaço urbano, considerando aspectos relativos ao comércio e aos serviços, e no espaço rural, no que se refere a estrutura fundiária e à renda da terra. Entre os aportes teóricos da pesquisa destacam-se as abordagens de Milton Santos sobre o espaço e seus respectivos elementos e território usado. Os procedimentos metodológicos utilizados foram: pesquisa bibliográfica e historiográfica; pesquisa documental; observação in lócus e entrevistas. Os resultados indicam que, a partir de 2010, com a adoção da politica nacional de investimentos em fontes alternativas de energia, uma nova lógica de uso do território foi inserida na microrregião a partir da instalação de parques eólicos. A definição dessa área como produtora de energia eólica está associada ao seu meio ecológico, especialmente às altitutes elevadas que podem atingir até 750 metros, que associadas aos ventos constantes fazem da Serra de Santana um dos pontos do Rio Grande do Norte com maior potencial para a instalação de parques eólicos. No que diz respeito às transformações promovidas por essa atividade no espaço urbano, ressalta-se que não se verificou o dinamismo esperado, apesar de certo crescimento no número de estabelecimentos comerciais e de serviços.Com relação ao espaço rural, não foram evidenciadas alterações significativas na estrutura fundiária, predominando as pequenas propriedades, mas a atividade gerou transformações na renda da terra, que se efetiva pelo arrendamento para fins de estudos e instalações de parques eólicos. Constatou-se, ainda, mudanças nas relações de trabalho, visto que, após a construção dos parques eólicos, os grandes proprietários de terra optaram por encerrar as parcerias com os pequenos agricultores, o que compromete a produção agricola historicamente realizada. Nesse sentido, a instalação de parques eólicos na Microrregião da Serra de Santana tem gerado contradições, de modo que somente uma minoria de pessoas é beneficiada pela atividade.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 350836 - IONE RODRIGUES DINIZ MORAIS
Interno - 347943 - RITA DE CASSIA DA CONCEICAO GOMES
Externo à Instituição - ANIERES BARBOSA DA SILVA - UFPB
Notícia cadastrada em: 22/03/2016 08:33
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao