Banca de DEFESA: DIÊGO RODRIGUES DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DIÊGO RODRIGUES DA SILVA
DATA: 04/03/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório "B" do CCHLA
TÍTULO:

FINANCEIRIZAÇÃO DO TERRITÓRIO: A CAPILARIDADE DOS PROGRAMAS CREDIAMIGO E AGROAMIGO EM ALAGOAS


PALAVRAS-CHAVES:

Financeirização do território,Técnicas, Normas, Microcrédito, Alagoas.


PÁGINAS: 213
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Geografia
RESUMO:

Com raízes no processo de reestruturação bancária, iniciado na década de 1990, os programas de microcrédito produtivo e orientado Crediamigo e Agroamigo do Banco do Nordeste do Brasil integram um movimento recente de financeirização das camadas sociais de menor renda. Sob á égide das políticas de inclusão financeira adotadas pelo Governo Federal, são criados mecanismos para ampliar o alcance social e territorial do microcrédito que, através desses dois Programas se faz presente em todos os municípios alagoanos. Neste sentido, o presente trabalho tem o objetivo de explicar o processo de financeirização do território a partir da capilaridade dos Programas Crediamigo e Agroamigo no estado de Alagoas. Afim de alcançar a meta proposta, adotou-se como váriáveis-chave dessa investigação, a técnica, a norma e a finança, entendidas como principais pilares do processo de financeirização do território. Assim, partiu-se de uma análise das políticas de expansão e desburocratização do acesso ao crédito, seguido de uma avaliação da topologia dos fixos bancários e do exame do acesso aos programas por meio de uma pesquisa empírica. Verificou-se que a flexibilização normativa, a maior integração dos sistemas de movimento presentes no território, aliada aos avanços datelemática, possibilitaram a emergência de novos formatos organizacionais, que dão suporte à financeirização do território pelos programas de microcrédito do Banco do Nordeste em Alagoas. Uma expressão disso, é o compartilhamento da rede fixos entre os bancos oficiais, em complemento à topologia das agências e postos do BNB, criando um canal de desembolso do microcrédito em cada município do estado. Mas a capilaridade do Crediamigo e do Agroamigo se estrutura, sobretudo, na terceirização de uma rede descentralizada de atendimento, através de uma parceria com o Instituto Nordeste Cidadania. A estratégia fundamenta-se no deslocamento de assessores de microcrédito para operacionalizar os Programas nas localidades desassistidas por sua rede de fixos bancários. Por fim, foi reconhecida a inserção e o papel dos agentes de microcrédito na divisão do trabalho não-bancário. Sua profusão entre os diferentes lugares do estado o coloca como um importante mecanismo da capilaridade dos programas Crediamigo e Agroamigo nas zonas mais opacas do território alagoano.

Com raízes no processo de reestruturação bancária, iniciado na década de 1990, os programas de microcrédito produtivo e orientado Crediamigo e Agroamigo do Banco do Nordeste do Brasil integram um movimento recente de financeirização das camadas sociais de menor renda. Sob á égide das políticas de inclusão financeira adotadas pelo Governo Federal, são criados mecanismos para ampliar o alcance social e territorial do microcrédito que, através desses dois Programas se faz presente em todos os municípios alagoanos. Neste sentido, o presente trabalho tem o objetivo de explicar o processo de financeirização do território a partir da capilaridade dos Programas Crediamigo e Agroamigo no estado de Alagoas. Afim de alcançar a meta proposta, adotou-se como váriáveis-chave dessa investigação, a técnica, a norma e a finança, entendidas como principais pilares do processo de financeirização do território. Assim, partiu-se de uma análise das políticas de expansão e desburocratização do acesso ao crédito, seguido de uma avaliação da topologia dos fixos bancários e do exame do acesso aos programas por meio de uma pesquisa empírica. Verificou-se que a flexibilização normativa, a maior integração dos sistemas de movimento presentes no território, aliada aos avanços datelemática, possibilitaram a emergência de novos formatos organizacionais, que dão suporte à financeirização do território pelos programas de microcrédito do Banco do Nordeste em Alagoas. Uma expressão disso, é o compartilhamento da rede fixos entre os bancos oficiais, em complemento à topologia das agências e postos do BNB, criando um canal de desembolso do microcrédito em cada município do estado. Mas a capilaridade do Crediamigo e do Agroamigo se estrutura, sobretudo, na terceirização de uma rede descentralizada de atendimento, através de uma parceria com o Instituto Nordeste Cidadania. A estratégia fundamenta-se no deslocamento de assessores de microcrédito para operacionalizar os Programas nas localidades desassistidas por sua rede de fixos bancários. Por fim, foi reconhecida a inserção e o papel dos agentes de microcrédito na divisão do trabalho não-bancário. Sua profusão entre os diferentes lugares do estado o coloca como um importante mecanismo da capilaridade dos programas Crediamigo e Agroamigo nas zonas mais opacas do território alagoano.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2177362 - ALDO ALOISIO DANTAS DA SILVA
Interno - 1486670 - CELSO DONIZETE LOCATEL
Externo à Instituição - ANTONIO ALFREDO TELES DE CARVALHO - UFAL
Notícia cadastrada em: 04/03/2016 11:26
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao