Banca de DEFESA: DÊNIS CARLOS DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DÊNIS CARLOS DA SILVA
DATA: 27/03/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório "A" do Centro de Ciências Humanas Letras e Artes
TÍTULO:

A Configuração do circuito espacial de produção sucroalcooleira em Alagoas


PALAVRAS-CHAVES:

Cana-de-açúcar, Circuito espacial de produção, Círculos de cooperação, Agentes hegemônicos, Alagoas.


PÁGINAS: 174
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Geografia
RESUMO:

A cana-de-açúcar constitui a principal atividade produtiva do estado de Alagoas, abrigando uma estrutura composta por 25 unidades de produção que representa a base econômica de mais da metade dos seus municípios, se constituindo no maior produtor do setor sucroalcooleiro do Norte-Nordeste, exportando seus produtos para países de diferentes continentes. Dado esse quadro de referência, buscou-se no presente trabalho, compreender a configuração do circuito espacial de produção sucroalcooleira em Alagoas a partir do uso do território, analisado à luz dos eventos mais significativos relacionados ao setor e, ainda, o conjunto de normas estabelecidas pelo Estado, através de órgãos, a exemplo do Instituto do Açúcar e Álcool (IAA), e de programas como o Programa Nacional do Álcool (Proálcool), dentre outros, que possuíam a função de estruturar e carrear recursos para o setor sucroalcooleiro. Observou-se que os investimentos realizados proporcionaram uma renovação das técnicas abrigadas no arcabouço produtivo sucroalcooleiro. Inicialmente, com a substituição dos engenhos pelas usinas e, posteriormente, o aperfeiçoamento do processo agrícola e fabril com maior aproveitamento dos subprodutos, além da integração produtiva das instâncias, especialmente com a produção de açúcar, álcool e geração de energia, intensificando uma maior participação do estado na divisão internacional do trabalho, conferindo-lhe uma estrutura organizacional segmentada pelos grandes agentes hegemônicos desse processo. Dessa forma, a configuração geográfica sucroalcooleira até então existente no território alagoano, foi reestruturada e o circuito, cada vez mais, passa a constituir movimentos multiescalares, subsidiados pelos círculos de cooperação. Contudo, tal configuração demonstrou-se subserviente ao mercado mundial, o que cada vez mais condiciona a adoção de práticas hegemônicas que se distanciam das vivências e projetos locais. A verticalidade imposta disponibiliza uma configuração que não lhe é peculiar, que apenas serve para responder aos comandos dos grandes agentes hegemônicos, caracterizando a continuidade do processo capitalista vigente. Ou seja, as empresas sucroalcooleiras usam corporativamente o território como recurso para obter mais lucratividade e assim dominar o maior número de mercados consumidores.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2177362 - ALDO ALOISIO DANTAS DA SILVA
Externo à Instituição - ANTONIO ALFREDO TELES DE CARVALHO - UFAL
Presidente - 1486670 - CELSO DONIZETE LOCATEL
Notícia cadastrada em: 14/03/2014 09:36
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao