Banca de DEFESA: MÁRCIO CÉSAR DE OLIVEIRA QUIRINO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MÁRCIO CÉSAR DE OLIVEIRA QUIRINO
DATA : 26/04/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório 01 do NEPSA 2
TÍTULO:

TEORIA DA AUTODETERMINAÇÃO: UM ESTUDO COM ALUNOS DE CONTABILIDADE DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE


PALAVRAS-CHAVES:

Desempenho acadêmico, teoria da autodeterminação, motivação acadêmica.


PÁGINAS: 87
RESUMO:

O presente estudo analisou como as variáveis do perfil sociodemográfico e profissional do discente afetam as dimensões de motivação acadêmica dos estudantes de Ciências Contábeis sob a perspectiva da teoria da autodeterminação. Para tanto, utilizou as seguintes variáveis do perfil sociodemográfico e profissional: gênero; turno e período em que estuda; escola onde cursou o ensino médio; tipo de IES; se mora ou não na mesma cidade da IES, tempo de deslocamento; se recebe bolsa, atividade desempenhada; e participação em projetos. Para atingir esse objetivo foram questionados 766 alunos de 6 IES públicas e privadas do Estado do Rio Grande do Norte. As instituições foram selecionadas com base no cadastro do Ministério da Educação e Cultura (MEC) e Exame de Suficiência realizado pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) em 2018.2. Para coleta de dados, foi aplicado um questionário formado por quatro secções: a primeira com questões dedicadas à caracterização dos discentes; a segunda, continha a Escala de Motivação Acadêmica (EMA) proposta por Sobral, (2013). O instrumento é composto de 28 itens, contemplando os constructos do continuum de autodeterminação. Foram eliminados 7 devido a inconsistências no preenchimento, resultando em um total de 803 validados. Esse quantitativo ainda sofreu uma redução devido à existência de Outliers que comprometeram a qualidade dos dados. Por fim, a amostra final contou com 766 instrumentos de pesquisa. Os resultados dos testes de diferença de média, relacionando autopercepção e variáveis de caracterização evidenciam que a variáveis gênero e idade não apresentaram diferença significativa entre os grupos analisados, achados que corroboram com os de Viana (2012). Adicionalmente, as variáveis, cidade em que o aluno mora e ser bolsista ou não, não apresentaram diferença para as médias entre os grupos estudados. Para analisar a influência de cada constructo na percepção auto atribuída. Nos resultados do modelo, os constructos Motivação Intrínseca para Saber, Motivação Intrínseca para Vivenciar Experiências e Desmotivação foram significantes estatisticamente para explicar a autopercepção. Em outras palavras, ao nível de significância de 1%, as variáveis Motivação Intrínseca para Saber e Motivação Intrínseca para Vivenciar Experiências contribuem positivamente para explicar a autopercepção do aluno. O contrário acontece com a variável Desmotivação. Por fim, foi realizada uma análise qualitativa das respostas dos discentes em relação aos impactos na sua autopercepção de desempenho. Com base nessas, foi possível construir quatro códigos, que são: trabalho e estudo, possibilidade de futuro melhor, relacionamento com colegas de turma e relação com o professor.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 102.086.235-15 - ANEIDE OLIVEIRA ARAUJO - UFRN
Interna - 2374828 - JOANA DARC MEDEIROS MARTINS
Externo à Instituição - EDVALDA ARAUJO LEAL - UFU
Notícia cadastrada em: 26/04/2019 08:36
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao