Banca de DEFESA: WILLIAM HUMBERTO ÚSUGA GIRALDO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : WILLIAM HUMBERTO ÚSUGA GIRALDO
DATA : 31/01/2022
HORA: 11:00
LOCAL: Sala de reunião Virtual do Ge3: https://zoom.us/j/5435517313
TÍTULO:
Máscara para detecção de detritos espaciais em imagens de telescópio adquiridas em modo estático

 

 

PALAVRAS-CHAVES:
máscara;  detecção de detritos; imagens,  CCD;  magens astronômicas,  telescópio; lixo espacial,
 

PÁGINAS: 50
RESUMO:

Detritos orbitais com aproximadamente 10 cm de tamanho podem ser medidos com telescópios terrestres. Estes detritos ameaçam o funcionamento de satélites e trazem impacto na economia e na segurança global das atividades espaciais. Na orbita GEO, onde está a maioria dos satélites com atividade económica, são aproximadamente 842 detritos catalogados. Já em orbita LEO são aproximadamente 13485 detritos catalogados.  No entanto, estudos da ESA mostram que centenas de milhões de pequenos objetos acima de 1 mm estão neste momento nas duas orbitas GEO e LEO acima da Terra e ainda não foram catalogados.  Neste trabalho criamos um procedimento computacional para detectar detritos espaciais em orbita GEO com imagens obtidas a partir de telescópios em terra e em modo estático, onde as estrelas do fundo do céu aparecem em forma de linhas nas imagens das câmeras  CCD  (charge-coupled device) e o lixo em forma de pontos.   Imagens CCD de 2992 x 2092 pixels (alta resolução)  e com 5 graus de campo de visão (FOV)  e com 7 segundos de exposição utilizadas neste trabalho foram obtidas com o telescópio (Panoramic Electro-Optical System) PanEOS, de 750 mm de abertura e instalado no observatório do Picos dos Dias do Laboratório Nacional de Astrofísica (LNA). Este é um telescópio russo, robotizado e com foco no mapeamento de detritos espaciais e é resultado de um acordo entre a Agência Espacial Brasileira (AEB) e a agência espacial russa Roscosmos para monitoramento do céu. Para esta pesquisa adaptamos os pacotes “photoutils” escrito em Python para construir uma máscara e separar estrelas de candidatos a detritos espaciais.  Nossa metodologia consistiu em primeiramente suavizar as imagens usando um filtro do tipo Gaussian Kernel em seguida cada elemento foi categorizado em dois grupos e finalmente as estrelas foram apagadas das imagens e resultando assim somente os candidatos de detritos espaciais. Testamos combinações de fluxo para estabelecer o limite de detecção e utilizamos diferentes valos nas  PSF’s (points spread function) para determinar o limite da elongação dos objetos. Nossa metodologia trabalha com uma única imagem por vez de forma rápida e eficiente e permite detectar objetos com diferentes PSF, e desta forma requer baixa capacidade de hardware.  Nossos resultados nesta fase de validação identificaram 100% dos lixos artificiais de treino e nas imagens reais do telescópio PanEOS, detectamos detritos reais e consistentes com um possível detrito espacial. Este é formalmente o primeiro resultado na pesquisa sobre da detecção,  modelagem e monitoramento de  Lixo Espacial liderado na UFRN  (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AEROESPACIAL – PPGEA)  e um trabalho de vanguarda no Brasil com  relação ao uso das imagens deste telescópio com este objetivo. 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2496004 - JOSE DIAS DO NASCIMENTO JUNIOR
Externo ao Programa - 4857669 - JEFFERSON SOARES DA COSTA
Externo à Instituição - LEANDRO DE ALMEIDA
Notícia cadastrada em: 27/01/2022 20:53
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa11-producao.info.ufrn.br.sigaa11-producao