Banca de DEFESA: PEDRO CELESTINO DANTAS JUNIOR

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PEDRO CELESTINO DANTAS JUNIOR
DATA: 30/07/2012
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Aula do prédio do LARHISA
TÍTULO:

Impacto do abastecimento irregular de água nos altos índices de dengue em Natal (RN) - Brasil


PALAVRAS-CHAVES:

Abastecimento de água irregular, pressão, ITR por A2 e dengue.


PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Sanitária
RESUMO:

A regularidade do fornecimento de água é uma condição para a eliminação de depósitos ao nível do solo, por estes serem criadouros potenciais do mosquito da dengue em Natal/RN, tendo em vista que 55,4% dos depósitos predominantes de infestação do mosquito Aedes Aegypti, segundo o Boletim Epidemiológico de Dengue, elaborado pela Secretaria Municipal de Saúde de Natal são do tipo A2 (depósito de água para consumo humano ao nível do solo como toneis, barris, cisterna, entre outros)Os dados de pressão auferidos em diversos bairros de Natal/RN verificaram uma inconsistência no fornecimento de água, ao ponto de registrar pressões negativas, que inibem o abastecimento regular das caixas d’águas, obrigando os moradores a acumular água em depósitos ao nível do solo. Neste sentido, o presente trabalho objetiva avaliar os impactos da irregularidade no fornecimento público de água, no Índice de (Infestação) por Tipo de Recipiente (ITR) na modalidade A2 em Natal/RN. Para o alcance do objetivo foram monitorados 32 pontos na rede de abastecimento de Natal (RN), distribuídos em treze bairros da cidade, nos quais foram instalados medidores do tipo Datalogger, para traçar o "perfil de uma semana” em cada ponto. Paralelamente foi aplicado um questionário, seguido de observações de campo, visando identificar e avaliar as razões do uso de depósitos difusos de água pelos cidadãos. Diante dos dados das pressões, observa-se que dos 13 bairros de Natal pesquisados, apenas 1 não apresentou regularidade no fornecimento de água. Nos demais, aponta-se variações de pressão abaixo de 5 m.c.a., tendo em vista que valores de pressão nestes níveis induzem o armazenamento de água em depósitos do tipo A2. Comparando os valores do ITR na modalidade A2 por bairro, verificou que naquele bairro onde os valores de pressão foram adequados conforme a norma prever, o ITR por A2 foi nulo, nos demais o ITR variou de 58% a 100% dos depósitos predominantes de infestação do mosquito da dengue, permitindo inferir que o sistema de abastecimento de água de Natal contribui para o acúmulo de água em recipientes do tipo A2. Esta constatação contradiz as propagandas de combate à dengue, quando culpa unicamente o cidadão pelos altos índices de dengue, sem necessariamente responsabilizar as companhias de abastecimento. A eliminação do recipiente A2 através da regularização do abastecimento com pressões adequadas, principalmente nos horários de maior consumo, auxiliará substancialmente as ações de controle de proliferação do mosquito da dengue.




MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1759924 - HELIO RODRIGUES DOS SANTOS
Presidente - 345791 - MANOEL LUCAS FILHO
Notícia cadastrada em: 26/07/2012 10:32
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao