Banca de DEFESA: ALEXYA BRENDHA PINHEIRO DE LIMA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ALEXYA BRENDHA PINHEIRO DE LIMA
DATA : 14/06/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de videoconferência do PoP/RN - RNP/UFRN
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA COM A FILTRAÇÃO RÁPIDA NO TRATAMENTO DA ÁGUA DE UMA LAGOA LITORÂNEA TROPICAL COM BAIXA TURBIDEZ E COR MODERADA


PALAVRAS-CHAVES:

Filtração Lenta. Filtração Rápida. Associação de tecnologias;.Tratamento de água. Lagoa litorânea tropical. 


PÁGINAS: 51
RESUMO:

A poluição e contaminação de mananciais se agravam de forma progressiva à medida que se intensificam os processos de urbanização e atividades agropecuárias. As tecnologias de tratamento de água devem compensar essa perda de qualidade do manancial e garantir a adequação ao padrão de potabilidade e a segurança sanitária da água tratada, o que inclui, dentre outros aspectos, a remoção eficiente de microrganismos (incluindo os de interesse emergente, como Giardia e Cryptosporidium), que são de difícil remoção nos sistemas usuais de tratamento de água. Nesse sentido, tem crescido a aplicação de tecnologias avançadas (por exemplo, membranas filtrantes), que, no entanto, são caras e, por tanto, inacessíveis à maioria das comunidades de países em desenvolvimento. A filtração lenta (FL) é uma tecnologia de tratamento robusta em relação à remoção de patógenos, além de ser uma tecnologia de custo acessível e de fácil operação. Porém, os filtros lentos convencionais são pouco eficientes na remoção de cor verdadeira. Dessa forma, o objetivo principal deste trabalho é avaliar a associação da filtração lenta convencional com a filtração rápida (precedida de oxidação química e coagulação) para o tratamento da água de uma lagoa litorânea tropical que apresenta baixa turbidez e cor moderada. Para isso, a água do manancial de estudo (Lagoa do Jiqui) foi tratada: 1) Por uma instalação piloto de FL, compostas por dois filtros lentos de areia operados em paralelo, com taxa de filtração constante (3 m/dia) e nível variado, sendo que o meio granular em um dos filtros tinha coeficiente de desuniformidade de 3 (CD = 3) e no outro, o coeficiente de desuniformidade de 4 (CD = 4); 2) Os efluentes dos filtros lentos foram tratados por pré-oxidação, coagulação e filtração rápida descendente em equipamento de jar test acoplado a filtros de laboratório (FLAB). A qualidade da água tratada foi avaliada por meio de exames bacteriológicos (Coliformes Totais e Escherichia coli) e análises físico-químicas “convencionais” como turbidez, cor aparente, cor verdadeira e pH, além de análise de potencial zeta. Os filtros lentos, quando maduros, alcançaram a remoção de 100% de E. coli e em torno de 98% de Coliformes Totais, porém, não removeram eficientemente cor verdadeira. O filtro lento com CD = 4 apresentou melhor remoção de turbidez do que o com CD = 3. A associação da FL com a filtração rápida (com pré-oxidação e coagulação) tem o potencial de atingir eficiências elevadas na remoção de turbidez, cor verdadeira e E. coli, alcançando valores remanescentes bem abaixo dos padrões de potabilidade vigentes no Brasil, implicando em maior segurança sanitária da água tratada.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1759924 - HELIO RODRIGUES DOS SANTOS
Interna - 3919045 - JULIANA DELGADO TINOCO
Externa ao Programa - 1615358 - JAZIELLI CARVALHO SA
Externo à Instituição - MILLER ALONSO CAMARGO-VALERO - Leeds
Notícia cadastrada em: 06/06/2019 17:54
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao