Banca de QUALIFICAÇÃO: JOÃO MANOEL DANTAS DE ANDRADE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOÃO MANOEL DANTAS DE ANDRADE
DATA: 08/04/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 4I10
TÍTULO:

DEGRADAÇÃO DO SOLO EM ÁREA DE MINERAÇÃO DE SHCEELITA NO SEMIÁRIDO


PALAVRAS-CHAVES:

Mineração, qualidade do solo, metais pesados, rejeitos, contaminação.


PÁGINAS: 17
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Sanitária
RESUMO:

A sociedade contemporânea cada vez mais necessita de matéria prima para o seu desenvolvimento e a mineração é a principal fornecedora desses recursos. Com o aumento das tecnologias disponíveis, recursos naturais que antes estavam indisponíveis agora podem ser extraídos do ambiente. Porém ao mesmo tempo que cresce a capacidade de extração dos recursos naturais, aumentam os impactos gerados no  ambiente. A mineração é uma das fontes econômicas mais importantes da região Seridó do Rio grande do Norte. O principal mineral extraído na região é a scheelita, do qual se obtém o tungstênio. A extração do minério de scheelita trouxe desenvolvimento social e econômico para a região do Seridó. Porém a mineração é responsável por alterações na qualidade ambiental, degradando os meios físico, químico e biológico de áreas que vão além dos limites de lavra. Na mina Brejuí, em Currais Novos-RN, foram geradas elevadas quantidades de rejeito do processo de beneficiamento. Potencial fonte de metais pesados para a região. Essa contaminação advinda dos rejeitos expostos a céu aberto pode ser levada a quilômetros de distância por ação hídrica ou eólica, contaminando o solo e recursos hídricos da região. Com os impactos gerados pela extração mineral, faz-se necessária a avaliação da degradação do solo. O presente trabalho tem como objetivo avaliar a qualidade do solo  em áreas de lavra e de influencia de mina de scheelita localizada na região tropical semiárida a fim de evidenciar processos de degradação ambiental que precisem ser mitigados. Para isso será coletada amostras de solo deformadas na profundidade de 0-20 cm em áreas distinta quanto ao seu uso e/ou intensidade de degradação. As amostras de solo serão submetidas às análises de atributos físicos: densidade do solo, densidade de partículas, porosidade total e granulometria; e químicos: pH, condutividade elétrica, Ca2+ e Mg2+, K­­+ e Na+ trocáveis, acidez potencial (H+ + Al3+), Al3+ trocável, soma de bases, CTCp, saturação por bases, matéria orgânica, carbono orgânico, fósforo disponível e nitrogênio total. Além de teores totais e disponíveis de metais pesados Fe, Mn, Cd, Cr, Cu, Ni, Pb e Zn.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 052.716.174-83 - FABIANA OLIVEIRA DE ARAUJO SILVA - UFRN
Externo à Instituição - JOANA DARC FREIRE DE MEDEIROS - SEMARH
Presidente - 1662859 - KARINA PATRICIA VIEIRA DA CUNHA
Notícia cadastrada em: 05/04/2016 13:54
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa23-producao.info.ufrn.br.sigaa23-producao