Banca de DEFESA: MOISÉS ANDRADE DE FARIAS QUEIROZ

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MOISÉS ANDRADE DE FARIAS QUEIROZ
DATA: 28/02/2014
HORA: 14:30
LOCAL: SALA DE AULA DO PREDIO DO LARHISA
TÍTULO:

REMOÇÃO DE MICROALGAS DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO UTILIZANDO BIOFILTRO.


PALAVRAS-CHAVES:

lagoas de estabilização, biofiltros, remoção de microalgas.


PÁGINAS: 25
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Sanitária
RESUMO:

A pesquisa avaliou a remoção de microalgas de um sistema de lagoas de estabilização utilizando biofiltros como pós-tratamento, além de caracterizar os efluentes de lagoas de estabilização e dos filtros no tocante às concentrações de biomassa algal (clorofila “a” e sólidos suspensos), matéria orgânica (DBO e DQO), ortofosfato, fósforo total, pH e oxigênio dissolvido, e buscou correlacionar os parâmetros físico-químicos com a clorofila “a”. Foi realizada na ETE Ponta Negra que é constituída por três lagoas de estabilização, sendo uma lagoa facultativa primária (LFP) e duas de maturação (LM1 e LM2). Para a remoção das algas, utilizou-se dois biofiltros submersos: o filtro 1 alimentado com efluente da lagoa facultativa; e o filtro 2 alimentado com efluente da segunda lagoa de maturação. O material de enchimento de ambos os filtros foi predominantemente brita nº 2, apesar de conter porções de brita nº 1 e nº 3. As condições operacionais dos filtros eram péssimas, pois estavam há mais de 20 anos sem manutenção, no material de enchimento sem limpeza ou remoção do lodo desde a época da construção, podendo estar colmatado parte do enchimento. Apesar das condições operacionais precárias foram obtidos resultados satisfatórios, em nível de pós-tratamento. As eficiências médias de remoção em relação à DBO e DQO total foram de 7 e 25% no Filtro 1 e 9 e 19% no Filtro 2, respectivamente. Em relação SST as concentrações médias finais nos filtros 1 e 2 foram de 128 e 109 mg/L e as eficiências de remoção de 37 e 20%, respectivamente. Quanto à remoção de clorofila “a”, a eficiência do Filtro 1 foi de 44% e no Filtro 2 foi de 33%. Houve o consumo de 50% do oxigênio dissolvido, em média, no interior dos filtros. Foram realizados dois perfis nos filtros, e foi possível concluir que as variações ao longo do dia não foram estatisticamente significativas, e que, independente do horário da coleta, teriam a mesma representatividade ao comparar com o horário da coleta da pesquisa (7 horas da manhã) e a média diária, embora as variações pontuais ao longo do dia tenham se mostrado expressivas. Outra importante observação foi que as correlações entre Clorofila “a” e SST foram maiores e mais significativas nos efluentes dos filtros do que nos efluentes das lagoas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 346736 - CICERO ONOFRE DE ANDRADE NETO
Interno - 376.950.452-68 - ANDRE LUIS CALADO ARAUJO - IFRN
Interno - 1759924 - HELIO RODRIGUES DOS SANTOS
Interno - 1764855 - VANESSA BECKER
Externo à Instituição - RUI DE OLIVEIRA - UFCG
Notícia cadastrada em: 06/02/2014 17:44
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa27-producao.info.ufrn.br.sigaa27-producao