Universidade Federal do Rio Grande do Norte Natal, 26 de Maio de 2024

Visualização da Ação de Extensão


Ação de Extensão
Título: Curso livre "Emergência indígena no Brasil contemporâneo"
Ano: 2022 Nº Bolsas Concedidas: 0 Nº Discentes Envolvidos: 0 Público Estimado: 200
Período do Evento: 27/05/2022 a 27/05/2022
Área Principal: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA Área do CNPq: Ciências Humanas
Unidade Proponente: INSTITUTO HUMANITAS DE ESTUDOS INTEGRADOS Unidades Envolvidas:
Tipo: EVENTO
Municípios de Realização: NATAL - RN
Espaços de Realização: https://youtu.be/a3Y3JGA5AKo
Fonte de Financiamento: AÇÃO AUTO-FINANCIADA
Tipo do Evento: CONFERÊNCIA Carga Horária: 2 Quantidade de Vagas: 200
Responsável pela Ação: LUCAS TRINDADE DA SILVA
E-mail do Responsável: trindadelucas88@gmail.com
Contato do Responsável: (61) 98359-4963
Url da Acão: https://sigaa.ufrn.br/sigaa/link/public/extensao/visualizacaoAcaoExtensao/91820988

Resumo

Até o final da década de 1970 prevalecia no Brasil a total invisibilidade dos povos indígenas, sustentada pela ideia de que esses povos iriam desaparecer, seja pela completa extinção seja por sua assimilação forçada à sociedade nacional, quando desapareceriam enquanto povos culturalmente distintos em um processo irremediável de “aculturação progressiva” (cf. Darcy Ribeiro em “Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno”). Desconsiderados enquanto atores históricos, os povos indígenas eram vistos como vítimas de um processo histórico no qual só lhes cabia assistir o seu próprio fim de mundo. A tese da extinção apoiava-se na visão colonial quase unânime do pensamento brasileiro à época que concebia os povos indígenas como uma humanidade primitiva fadada a sucumbir com o avanço da “civilização”. Lado a lado com essas representações acerca do futuro dos povos indígenas no país, os militares promoviam um ataque brutal contra esses povos por meio de uma ampla política genocida e etnocida que visava acelerar e completar esse processo de extermínio (cf. Viveiros de Castro em “No Brasil todo mundo é índio, exceto quem não é”). No ápice desses acontecimentos, no final da década de 1970, os povos indígenas se levantaram, se organizaram e emergiram na cena política brasileira como protagonistas da sua história, lutando pelo seu reconhecimento e alcançando, na Constituição Federal de 1988, o seu direito à diferença, ao território e à existência (cf. Poliene Bicalho em sua tese de doutorado “Protagonismo Indígena no Brasil: Movimento, Cidadania e Direitos (1970 – 2009)”). Desde então, os povos indígenas vêm crescendo em termos demográficos e se tornando um dos atores políticos principais da cena política brasileira, tornando-se também o alvo central do capitalismo predatório e da política genocidaem curso desde a eleição, em 2018, do ex-militar expulso do Exército e defensor da tortura, Jair Bolsonaro. Tendo em vista essas questões, o objetivo dessa conferência é refletir sobre a emergência indígena no Brasil contemporâneo e sobre as questões que ela coloca ao debate político e intelectual no país.


Programação

Curso livre "Emergência indígena no Brasil contemporâneo"

Conferencista: Fátima Silveira (doutoranda em Sociologia na USP)

Data/hora: 27 de maio, 16h

Link para o evento: https://youtu.be/a3Y3JGA5AKo


Públicos Alvo

Interno:

Discentes, docentes e técnicos


Externo:

Interessados no tema em geral



Membros da Equipe

  RAPHAEL ELIEDSON DA SILVA
Categoria: SERVIDOR
Função : AUXILIAR TÉCNICO
  LUCAS TRINDADE DA SILVA
Categoria: DOCENTE
Função : COORDENADOR(A)
  MARIA DE FATIMA SOUZA DA SILVEIRA
Categoria: EXTERNO
Função : PALESTRANTE



Lista de Fotos

[Foto não Encotrada!]

Banner divulgação



Clique aqui para fazer a sua Inscrição

<< voltar

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao v4.12.23