Banca de QUALIFICAÇÃO: FABIANO HENRIQUE RODRIGUES SOARES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FABIANO HENRIQUE RODRIGUES SOARES
DATA : 20/06/2019
HORA: 08:30
LOCAL: sala de aula do PPGCSa
TÍTULO:

RELAÇÕES ENTRE OBESIDADE, ADIPOSIDADE CENTRAL E MODULAÇÃO
AUTONÔMICA CARDÍACA EM MULHERES


PALAVRAS-CHAVES:

Obesidade; medidas antropométricas; função autonômica cardíaca;
desordens cardiometabólicas.


PÁGINAS: 33
RESUMO:

Investigamos o quanto que medidas antropométricas podem prever a modulação
autonômica cardíaca. Estudo transversal com 65 mulheres sedentárias
aparentemente saudáveis (18 a 45 anos) divididas em três grupos (eutróficas,
sobrepeso e obesas). Coletamos medidas antropométricas incluindo peso, estatura e
circunferências abdominal, cintura e quadril. Obesidade e adiposidade central foi
expressa pelo índice de massa corporal, pela relação cintura-quadril e pela relação
cintura-estatura. Percentual de gordura total e do tronco foi examinada pela
absorptometria de duas energias de raios-X e os resultados foram usados como
critério diagnóstico de obesidade. A modulação autonômica cardíaca foi expressa por
medidas lineares e não-lineares da variabilidade da frequência cardíaca. Todas as
medidas antropométricas apresentaram forte correlação com os resultados critério de
composição corporal (acima de r=0.581, p<0.001). A circunferência da cintura
apresentou a mais alta acurácia diagnóstica para obesidade (AUC 0.994 [95% CI
0.981, 1.000]) seguida pela relação cintura-estatura (AUC 0.993 [95% CI 0.977,
1.000]). O grupo com sobrepeso teve menos atividade parassimpática do que o
eutrófico (HFn.u MΔ = -13.11 [95% CI, -25.88, -0.34], g = 0.65, CL = 68.1%). Obesas
apresentaram valores ainda menores (HFn.u MΔ = -21.22 [95% CI, -31.89, -10.55], g
= 1.17, CL = 79.2%). A atividade simpática se comportou na direção oposta (LFn.u
MΔ = 13.06 [95% CI, 1.65, 24.47], g = 0.65, CL 67.9%, e LFn.u MΔ = 21.07 [95% CI,
10.32, 31.82], g = 1.15, CL 78.9%, respectivamente). As equações de estimativa
apresentaram R2 ajustado entre 5% e 15,8%. Aqui demonstramos que medidas
antropométricas tradicionais podem prever a modulação autonômica cardíaca e
simplificam a estratificação clínica de risco na população de mulheres assintomáticas
e aparentemente saudáveis


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 3926907 - DYEGO LEANDRO BEZERRA DE SOUZA
Interno - 2682821 - EDUARDO CALDAS COSTA
Presidente - 6346130 - MARIA BERNARDETE CORDEIRO DE SOUSA
Notícia cadastrada em: 10/06/2019 12:13
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa19-producao.info.ufrn.br.sigaa19-producao